Este blog vai ser redirecionado!

Blog redirecionado em 6 segundos!
http://confuciomoura.com.br
Aguarde.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

QUALIDADE DE VIDA



Sem água para todos e esgoto sanitário fica difícil administrar uma cidade. Tudo fica bárbaro ou medieval. O homem exposto aos seus próprios dejetos. A saúde não tem resolução sem saneamento básico. As doenças da pobreza nos invadirão impiedosamente. E o que é pouco fica ainda mais escasso que o recurso público. A saúde curativa consome tudo. O Brasil está ainda assim. Por isso o IDH (índice de desenvolvimento humano é baixo). Há um esforço gigantesco, isolado ou coletivo que tem melhorado a expectativa de vida e reduzido a mortalidade infantil. Poderia estar ainda melhor. Com indicadores europeus ou cubanos. Cuba dá exemplo de vida, país pobre, excluído e que tem excelente IDH. Tenho o projeto de engenharia pronto. Não tenho o essencial - o recurso. Está aí o bom começo, seguir a trilha, perseguir o dinheiro a qualquer custo e sanear a cidade inteira.

POETA POPULAR


Ele trabalha de vigilante no prédio da TV Globo de Cacoal. É o famoso Nestor Pereira Campista. Ele é poeta inspirado, poucas letras, a poesia sai  borbulhante como uma nascente na rocha. É calado, não se mete em conversa de ninguém, quando se toca nele e puxa para o lado da conversa, aí sim o homem desabrocha em rimas.

Um versinho sobre o Natal - "sou poeta inspirado/ sei também profetizar/ somos imagem de Deus/podemos testemunhar/a porta do céu abriu/ ára tpdps meça entar."

O poeta nasce. Ele nasceu poeta e assim será.

TÉCNICA DE PREPARAÇÃO MASSIVA


“Sempre me encantei com a preparação da juventude pela teoria da preparação massiva. Internar o jovem, o adulto também, como num retiro espiritual e entrar de corpo e alma na preparação. Ensinando-os a elaborar projetos, do jeito que puder, usando os meios disponíveis em sua própria comunidade. A criarem nos seus próprios meios as alternativas econômicas para melhorarem suas vidas. Nada de clientelismo.

É estudar mesmo e organizar as pessoas. Todo mundo sabe que o governo não é casa de mãe-joana. Não deve sair por aí distribuindo equipamento e dinheiro para quem não está organizado. É jogar dinheiro fora. Há um cemitério de equipamentos parados na área rural. As associações pedem tratores, máquinas diversas e depois não sabem e não tem condições de usarem adequadamente. Maioria fica parada. Inútil. Tudo tem uma razão de ser e qualquer meta só pode ser atingida se tiver conhecimento, vontade, desafiar a circunstância e meter a mão na massa. Formar milhares de TDE – técnico de desenvolvimento econômico e APIS-auxiliar de projetos de investimentos. É por aí o caminho – preparação massiva. Quem diz tudo isto é Clodomir Santos de Moraes”

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL


Educação


“A educação tecnológica deve ser incrementada. Temos de ampliar o sistema de educação superior, mas também investir significativamente na formação tecnológica, em pessoal com capacidade de transformar um conhecimento novo em um bem com valor agregado. Porém, o Brasil esbarra em um desafio fundamental: a educação básica de qualidade. A modernização da sociedade está associada à mão de obra qualificada, antenada e que entenda o processo. O Brasil, nos últimos anos, deu um passo à frente na questão da universalização: colocou todo mundo dentro da escola, independentemente da capacidade, da renda. Mas essas pessoas estão aprendendo? Não. Os professores estão preparados? Eles têm um perspectiva de carreira que os estimule? Não. A sociedade tem que se mobilizar. Não é a área científica. Isso é uma questão de cidadania. Os empresários estão interessados em mão de obra qualificada. Para isso, porém, são necessários cidadãos qualificados. É um encadeamento de coisas. Ter uma educação fundamental de qualidade talvez seja nosso maior desafio.”
 
Fonte - Marco Antonio Raupp - Presidente da SBPC

domingo, 30 de maio de 2010

RONDÔNIA DEPOIS DE TUDO FEITO



Ouço  de tudo sobre Rondônia depois destes maciços investimentos: usinas e PAC. Há opinião do que ficará bem melhor. Outros dizem que ficaremos com um drama social de dificil solução. E que Porto Velho será inadministrável.  Uma cidade a beira de  barragem, quando levanta o acampamento, apenas 100 funcionários tocarão os serviços e o povo ficará sem oportunidade e sem esperança. Da minha parte creio que  ficará ainda melhor. Atrás dos atuais investimentos virão ainda mais outros. O Estado será estratégico no concerto da federação. Somado aos investimentos nos portos, na produção, em tecnologia, em gente preparada, noutras modalidades de transportes (hidroviário e ferroviário), aí sim o Estado estará aberto para os dois oceanos. Cabe a nós mesmos fazermos a nossa própria promoção e marketing. Juntar meio ambiente e desenvolvimento. Uma nova forma de se complementar. E conviver. Nenhum político deve ser o arauto do apocalipse. Mas, deve trabalhar com cenários I, II e III. E é isto que vou fazer. Projetar as possibilidades de Rondônia ser cada vez mais dinâmica.

A ORDEM É SE MEXER


Professores de educação física e pediatras são unânimes: as crianças podem e devem ser estimuladas a exercitar o corpo desde cedo. Pular, saltar, correr e rolar são atividades fundamentais para o bom desenvolvimento motor dos pequenos e podem ser trabalhadas em diversas modalidades, como judô, balé, futebol, ginástica de solo ou rítmica, natação e muitas outras. A partir dos 6 meses, o contato com a piscina já traz benefícios para os bebês. Além de melhorar a coordenação motora, proporciona noções de espaço e tempo, estimula o apetite, aumenta a resistência cardiomuscular, promove um sono tranquilo e previne doenças respiratórias.


A habilidade motora pode ser avaliada por volta dos 3 anos. A partir daí até os 6 anos, pode-se estimular atividades que aperfeiçoem esse aspecto, sempre de acordo com a necessidade, aptidão individual dos pequenos e limite de cada um.

SAÚDE

A saúde SERÁ nossa prioridade política, orçamentária e financeira. Os últimos governos deram prioridade a obras. Mas saúde é o ponto em que mais precisamos evoluir. Quando temos desabastecimentos de medicamentos, há dois problemas: não há dinheiro ou se compra mal. Diria que não falta dinheiro para remédios. Se há uma crise de abastecimento, precisamos melhorar a compra.


Outro problema é que os diretores de hospitais precisam se preocupar com o dia a dia, com coisas básicas, como a falta de uma lâmpada que ficava sob a responsabilidade da Secretaria, já tão atolada de problemas. VAMOS descentralizar o orçamento, autonomia aos hospitais. Pode ser feito convênio com os Correios, para entrega de medicamentos. E buscaremos médicos especiliazados para preenchimento de vagas existentes. Além da implantação defintiva dos quatro hospitais regionais no Estado, Vilhena, Cacoal, Ji-Paraná e Ariquemes.

CRIAÇÃO DE PEIXE NOS RIOS (COLÔNIAS DE PESCADORES)

“Os pescadores artesanais em suas colônias não estão satisfeitos com a nova lei de dosagem do pesacado. Só podem pescar dez quilos por dia. Eles acham pouco. Querem a revogação da lei. Vamos estudar tudo isto, em audiências públicas. Tanto em Pimenteiras como em Guajará, o pessoal está em pé de guerra. Uma coisa é certa – o pescador deve ser também um criador de peixe. Criador de peixe no rio e nos lagos naturais. Vamos capacitá-los continuadamente. Capacitá-los doutrinariamente. Se não mudarmos as cabeças dos mais velhos, mudaremos as maneiras de pensar e ser dos mais novos. Pescar quando tiver peixe no rio e criá-los  ano inteiro. Assim, na época do defeso, o pescador não tenha abalo na sua economia e nem seja considerado um infrator da lei.”

SEMENTES DA FLORESTA


Antes de fazer o viveiro de mudas de espécies amazônicas, há necessidade da boa semente. Então, com certeza, teremos novas profissões no Estado – os catadores de semenstes. Que podem ser os próprios índios. Os seringueiros ou gente que seja treinado para se dedicar a este setor. Será um verdadeiro alpinista de árvores.

Depois da coleta o laboratório para classificação e conservação das sementes. Tudo dentro de normas dos ministérios da agricultura e meio ambiente. A seguir virão os bancos de germoplasmo, ou viveiros. Vamos vender sementes e mudas para o Brasil e para o mundo

sábado, 29 de maio de 2010

O HOMEM E O PARQUE ESTADUAL DE GUAJARÁ MIRIM



Com o parque  no meio do caminho a viagem fica bem mais longa. Uma imensa volta pela cidade de Porto Velho, pegar a BR 364 e seguir até Ariquemes. Sem ele o caminho ficaria pela metade. O Prefeito de Nova Mamoré para chegar à Jacinópolis, disitrito que fica depois da reserva e bem perto de Buritis  dá volta por Ariquemes para levar a merenda escolar. É de rachar. Mas, o parque está ali, tem sede e fiscalização. Ninguém pode perturbá-lo.

Creio que algo deve ser feito, entre o parque e o povo. O homem e a floresta. Decisões de alto nível. Até mesmo por iniciativa do governo e do Ministério Público. O impacto do homem é persistente e silencioso. E vai entrando mata a dentro. Hoje passa motocicleta. Também veículos pequenos com certa dificuldade. Um trator hoje, patrol amanhã. Nas noites caladas.Quando se vê a estrada aberta. Pior assim. Um estudo, uma nova proposta. um controle, um horário de passar, ninguém pode parar nela, radares, fiscais, guaritas

O controle de pedágios de entradas e saídas. É a solução.Para mais tarde evitar-se uma repressão inútil. 

No meio do caminho tem uma pedra. Não é pedra, é o parque florestal de Guajará-Mirim. Do lado de cá tem a BR 421 que liga Ariquemes à Monte Negro, Campo Novo e Buritis. Mais à frente está o parque. E a estrada pára aí.  Do outro, cerca de 25 km  está o Distrito de Nova Dimensão, que tem estrada boa até Nova Mamoré. E daí um pulo à Guajará-Mirim. 

CANTIGAS POR UM PASSARINHO À TOA


MANOEL DE BARROS 



Achava que os passarinhos

são pessoas mais importantes

do que os aviões.

Porque os passarinhos vem dos inicios do mundo

E os aviões são acessórios.



O cachorro vira-latas

queria que queria

entrar dentro de um inseto.

Mas a lata não deu inteira

dentro do inseto

O rabo ficou de fora.



A rã queria ser um passarinho

sé se for emteatro, meu amor.

Em teatro você faz o passarinho

e eu faço a rã.

Teatro não é troca de experiência?

Um novo modelo de prosperidade

Como assim um novo modelo? Prosperidade,  só há um jeito de praticá-la. Levantar cedo e trabalhar muito. Gastar bem gastado. Guardar o que sobra. Aí sim. Nem melhor que a prosperida seja com responsabilidade ambiental e social. Uma mão no dinheiro e a outra no meio ambiente. Mas, o que é meio ambiente?

Que bicho é este?

É tudo. O ar. A água. O lixo. A floresta. O gelo. A camada de ozônio. A chaminé da fábrica. E do carro também. A queima do petróleo e do carvão. A radioatividade. Tudo é meio ambiente. E deve ser saudável. E tudo pode começar pela geração de EMPREGO E RENDA. O SANEAMENTO básico para todos. E EDUCAÇÃO DE QUALIDADE. Com estes três componentes cumpridos ou iniciados como prioritários as pessoas vão respeitar o meio ambiente. Nada é mais danoso ao meio ambiente do que a miséria e a ignorância. E também a ganância dos homens.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O FATOR AMAZÔNICO NA SAÚDE

Não há nada mais injusto do que tratar os diferentes como iguais. E é isto que acontece na saúde pública brasileira. Os estados mais pobres da federação, principalmente, os da Região Norte recebem do Ministério da Saúde um tratamento igual aos do Sudeste.  Só nesta formatação já sai perdendo e muito. Por exemplo, São Paulo tem a cada 30 quilometros vários hospitais de qualidade, faculdades de medicinas e todo o conforto possível na área de saúde.  Tem toda a parafernália tecnológica de laboratórios e pesquisas cientificas.

Na Amazônia temos escassez e distâncias. Povos isolados nas florestas e perdidos ribeirinhos sumidos nos seus confins. E recebem menos recursos porque tem poucas ou quase nada de institutos de pesquisas e laboratórios de alta tecnologia, bem como exames radiológicas pontas de linhas. A Consituição fala em equidade. Mas, a equidade ainda não chegou por aqui.

É por isto que um paciente de Costa Marques sai de lá numa estrada de chão e o primeiro conforto do atendimento está em Ji Parana a 400 quilômetros de distância.  Assim não dá, meu irmão. Assim não dá. O Brasil sendo ao mesmo tempo uma Bélgica e uma India ao mesmo tempo.

A equidade sese faz dando mais a quem é mais pobre. Por isso na contabilidade do Ministério da Saúde deve entrar o fato amazônico, um indicador de compensação para todos nós. Se não a vaca vai pro brejo.

SOU PELO FIM DA REELEIÇÃO

Nos Estados Unidos o Presidente pode ser reeleito uma vez. Apenas uma. Depois que sai do mandato some de vez, vai cuidar de sua vida particular ou fazer algo que seja humanitário ou ligado às artes. Aqui no Brasil não acontece isto. A nossa democracia ainda é nova e frágil. Cheia do mandonismo e um ranço ainda persistente do coronelismo.

A melhor e mais saudável  prática seria a de um mandato apenas. O tempo ideal seria de cinco anos. A reeleição é uma prática injusta, ao menos aqui em nosso país, porque é desleal a concorrencia. Quem está no mandato sai com uma vantagem imensa, tem a sua disposição a máquina administrativa. Querendo ou não conta com um  exército a seu favor de secretários e cargos comissionados que desejam continuar mamando nas tetas do governo.

Disputei uma reeleição quando prefeito. E pude perceber que está errado. A disputa tem que ser em campo aberto com os candidatos em igualdade de condições. Aí sim o eleito ganhou por mérito de competência. Creio que deveremos evoluir e muito para que possamos subir alguns degraus de ética e bom comportamento  nesta escadaria que é a democracia.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

VERGONHA!

Não tem nenhuma clínica pública no Estado de Rondônia para tratamento de dependentes químicos. Quem tiver parente com a doença que se vire, por aqui apenas entidades religiosas, voluntários e poucas ONGs cuidam desta indispensável tarefa. A droga virou epidemia. E como um drama da saúde pública brasileira. A droga é a maior responsável pela violência no país. A droga é uma desgraça, esfacela a sociedade. Destrói a família.

Precisamos de muitas clínicas especializadas no Estado. Vamos apoiar as entidades religiosas e beneficentes que substituem o papel do Estado. Obrigado igrejas pelo que fazem por Rondônia. Pelo menos, já que não tem nada, poderia muito bem o Estado ajudar as entidades que cuidam destes doentes - com recurso para ajudar no custeio de suas despesas. Até mesmo cedendo alguns profissionais para ajudá-los no que fazem.

Visitei em Rolim de Moura uma entidade religiosa, da Igreja Avivamento Biblico, dirigida pelo Pastor João Batista, que só tem uma pequena ajuda da Prefeitura Municipal.  Em Ji-Paraná também tem duas entidades de igrejas evangèlicas. Tratam, inclusive, alcoolatras. É um serviço difícil. Os internos precisam de muitas orientações e materiais para profissionalização e também para esportes e lazer.

O Estado de Rondônia precisa evoluir. Deixar de ser absolutamente omisso. Lavar as mãos para uma realidade tão visível. Em Porto Velho  uma Clinica para homens e outra para mulheres. Ji-Paraná, Ariquemes, Cacoal, Vilhena também.

VIVEIRO DE MUDAS

“Há grandes obras no Brasil inteiro, do Rio de Janeiro ao Pará. Todas elas terão forte impacto na natureza e terão compromissos ambientais a cumprir. São muitas obras. Mas, o Brasil não tem mudas de espécies florestais, principalmente as nativas da Amazônia para atender o próprio país. Será que teremos que importar mudas de bandarra do Japão? Ou do Canadá? Vamos criar vergonha na cara. Meu Deus do céu. Temos em Rondônia as imensas reservas indígenas, ecológicas, parques, florestas nacionais e estaduais. Dá para se construir imensos bancos de germoplasma no Estado e vender mudas para o Brasil inteiro de nossas espécies nativas. É de inteira competência do futuro Instituo Rondoniense de Florestas. Quem viver verá.”

SAÚDE DO RIBEIRINHO


“Não precisa ser coisa da Nasa. Eu participei de vários ACISOS quando era militar. Prestação de serviços de cidadania para as populações isoladas. Os ribeirinhos de Rondônia já foram melhor atendidos. Havia o barco Seringueiro que corria o Rio Guaporé. Tem um barco hospital parado em Guajará enferrujando. Dá para conversar de novo com estas populações e com os prefeitos das margens dos grandes rios, para encontrarmos juntos o modelo contemporâneo. Pior do que está não pode ficar. A cidadania pode e deve entrar em todos os lugares. Será que não dá para fazer melhor hoje em dia?”

O MÉDICO PARA O DIFÍCIL ACESSO

“Encontrei com o Kleber E Pedrinho (Prefeito e vice de Cerejeiras)  em Guajará-Mirim na semana passada. Eles vinham de Rio Branco no Acre. Foram atrás de médicos para Cerejeiras. Está em falta. Conseguiram três profissionais. Nenhum cirurgião. Por aqui está difícil. Os médicos não querem interiorizarem-se, preferem aumentar ainda mais a concentração nas capitais. Não há dúvida que a interiorização do profissional de saúde, o grande e mior atrativo é o salário diferenciado. Em qualquer Estado brasileiro o médico ganha R$ 7 000,00 por mês, pouco mais ou pouco menos, no serviço público.  E pode acumular outro emprego. Para entrar na Amazônia, ainda mais nas regiões mais distantes, no chamado Brasil profundo, deverão receber alguns incentivos a mais. Que sejam compensadores. Não dá para pagar o que se paga em São Paulo ou Minas Gerais. O difícil acesso deverá merecer atenção do futuro governador de Rondôni e de todos os prefeitos rondonienses, caso contrário Rondônia entrará num apagão sanitário verdadeiro”.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

O CRACK ASSASSINA O FUTURO


Crack assassina o futuro



Pode-se dizer que vem em boa hora o plano do governo de combate ao crack? Talvez seja mais adequada a afirmação de que vem com atraso. Mais: vem acompanhado de certo ceticismo. A descrença tem fundamento. Ações ora anunciadas figuram em promessas anteriores que caíram no esquecimento ou não receberam a atenção necessária. É o caso da criação de consultórios de rua, em que equipes de saúde vão aos locais onde se encontram os usuários, e a construção de centros de atenção psicossocial (Caps), que veio à luz em junho no Plano Emergencial de Drogas.


O descaso cobra alto custo. Talvez nenhuma droga tenha as potencialidades malignas do crack. Subproduto da cocaína, a substância psicoativa é capaz de viciar no primeiro contato. Segundo estimativas do Ministério da Saúde, o país contabiliza 600 mil usuários. As grandes vítimas são os jovens, cuja curiosidade os torna vulneráveis ao assédio de traficantes ou de dependentes que vendem o entorpecente para alimentar o próprio vício. Antes restrito a consumidor mais pobre, o alucinógeno chegou à classe média com velocidade assustadora.

A explosão do consumo fica patente nos números. Em um ano (de 2008 a 2009), a apreensão da droga pela Polícia Federal cresceu em proporção geométrica — de 500kg a 4.500kg. O fato levou à inclusão do tema no debate eleitoral. A dimensão da tragédia é tal que se espera não ter sido a proximidade das urnas a motivar a nova mobilização do governo. As propostas, que começaram a ser debatidas em 9 de abril, miram três metas: a prevenção, o tratamento e a repressão ao tráfico.

O desafio é enorme. Em primeiro lugar, porque faltam políticas públicas abrangentes de tratamento. A saúde pública, sem trabalhos científicos aptos a comparar as drogas e selecionar as mais eficientes para enfrentar a dependência, aposta no ensaio e erro no socorro ao craqueiro. Não há mais tempo a perder. É importante avançar no combate ao mal. Não devem ser poupados esforços para evitar que a catástrofe se alastre.

Duas pontas do processo precisam de atenção especial. De um lado, evitar que o contingente de viciados aumente. Medidas preventivas, por isso, têm de ser implantadas por profissionais qualificados. De outro, impedir que a droga chegue ao mercado. Trabalho de inteligência policial, que rastreie traficantes e laboratórios, deve ser implantado. O tratamento tampouco pode ser negligenciado. Usuários necessitam de atendimento médico, psicológico e hospitalar por longo prazo.



fonte - jornal correio braziliense de hoje

PEQUENAS OBRAS E GRANDES RESULTADOS.


“Maluf é conhecido como o homem das grandes obras. Luiza Erundina como a mulher das pequenas obras. Nem um e nem outro. Dá para fazer as duas coisas e tirar esta mania de grandeza do orçamento público. Porque o Brasil é um país desequilibrado. É rico de um lado e pobre do outro. Nosso pobre é pobre mesmo e de não fazer inveja a ninguém. Grande obra é necessária para os hospitais, saneamento básico, duplicação de rodovias, construção de usinas hidrelétricas. Pequenas obras ou pequenos serviços - são construções de escolas, controlar a pressão arterial. Cuidar do diabético, do dependente químico. Da preparação da mão-de-obra, do transporte do idoso, da reforma do centro de saúde, da melhoria das estradas vicinais. Farei as duas coisas, com toda a certeza”.

domingo, 23 de maio de 2010

MINHA ULTIMA PITADA DE FÉ



Escrito pela blogueira cubana - YOANI SANCHEZ, a mulher mais perseguida daquele país.

Para Dania Virgen García

O ambiente de submissão foi uma vez um velho cárcere de paredes grossas, como na fortaleza de La Cabaña na baía de Havana. Uma prisão que havia sido antes um quartel militar, porque tanto os soldados como os reclusos sofrem de impedimentos semelhantes para se comportarem como seres livres. Uns e outros estão submetidos por algum grilhão, seja imposto por uma sanção penal ou pelo poder dos seus sargentos e comandantes. Não seria de se estranhar que José Martí ao invés de escrever “Um povo não se guia, General, como se manda num acampamento”, houvese feito o mesmo em relação a um presídio onde o cidadão está a mercê dos seu guardiões, sob a sombra dos seus carcereiros.

Agora também temos prisões modernas, com a mesma arquitetura dos (cursos) pré-unversitários no campo e apesar disso, com atavismos similares nos seus métodos de subjugamento. Não exibem grades grossas, mas sim tenentes que reduzem a autoestima, doutores que não estão quando se precisa deles e a pressão de uma doutrina que culpa o réu por não se haver deixado converter num “homem novo”. Em muitos cárceres cubanos tenta-se tirar da pessoa o respeito por si mesma. Daí que esta deva conviver com as suas excrecencias e compartilhar a dos seus companheiros de cela. As paredes da prisão de mulheres de Manto Negro - por exemplo - estão salpicadas de lágrimas, sangue, fluidos e saliva, também existem nomes e datas, conjuros, ameaças e promessas.

Os ladrilhos de ambos os cárceres - o antigo e o moderno - tem sido situados de forma que a liberdade não se infiltre através deles, para que nenhuma rachadura deixe passar um gramo de otimismo. Os construtores as fizeram a partir de suas próprias fobias, potencializando tudo aquilo que lhes produziria pavor. A sordidez de um cárcere é a cara pervertida da justiça e os que, em nosso país, erigiram e mantem certos presídios sombrios, estão confessando que temem o ser humano.



Traduzido por Humberto Sisley de Souza Neto

EU TAMBÉM SEI FAZER ASFALTO

Tudo bem, vou continuar a pavimentar estradas. Aprendi a fazer asfalto. Asfalto bom e usinado. A quente - CBUQ (concreto betuminoso usina a quente). A necessidade me fez aprender. Agora eu sei. Usar a força do servidor público, as máquinas próprias e meter a mão na massa.  Com o dinheiro que  se faz habitualmente 1 quilômetro de asfalto eu faço dois ou até três. Já pensou a economia? Quem me ensinou foi Isaac Bennesby, aquele dito e destemido Prefeito de Guajará-Mirim que pavimentou por conta e perceria com o Estado 70 quilômetros de Br 425. Aquela que liga o seu município à BR-364.  Foi ele. Meio fora de moda, mas, sabe tocar serviço. Aprendi também a trabalhar em cooperação com o povo. Cada um ajuda do seu jeito e como pode. Li o livro de Márcio Moreira Alves, a Força do Povo, sobre a adminsitração de Dirceu Cardoso em Lajes - SC. Ele foi um sucesso. No tempo que Prefeito não tinha dinheiro nem para um arruela. Ele fez história. É assim que vou trabalhar com prefeitos e o povo. Cada um ajudando do seu jeito. Farei muito asfalto nos municipios em cooperação com prefeitos e vereadores. É só esperar.

UNIVERSIDADE ESTADUAL


Em vários debates no Estado, principalmente nos municípios mais distantes da capital, tenho sido provocado com o pleito de incluir no meu plano de governo a implantação da UNIVERSIDADE ESTADUAL.

Em Rondônia não é ainda a hora. Temos que primeiro resolver o grave problema do ensino médio. Que é ruim. Para se entender melhor de cada 100 crianças que se matriculam no primeiro ano, apenas, 25 concluem o ensino médio. Para onde vão estes jovens?

Em segundo lugar ainda não resolvemos a situação dos professores. Plano de Carreira verdadeiramente conveninete entre as partes. A preparação continuada dos professores. O plano de metas educacionais que realmente seja cumprido. Reduzir a repetência e a evasão escolar. Melhorar a qualidadade das escolas estaduais.

Vamos implantar primeiro a boa escola de ensino fundamental e médio. Para o ensino superior posso implantar a Educação a Distância em cooperação com a UNIR. Comprar e pagar cursos pós-médios em parceria com a UNIR E IFE (Instituto Federal de Educação). Cursos finitos. Para abastecer o mercado interno de mão-de-obra qualificada.

Implantei em Ariquemes a UAB (Universidade Aberto do Brasil) em parceria com o Governo Federal e várias universidades brasileiras - Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a Nacional de Brasilia e UNIR. Está dando certo.

A MONOCULTURA E SUAS CONSEQUENCIAS

Tenho me reencontrado com um novo Estado de Rondônia. É um novo e um velho se encontrando. Dois Estados diferentes que se estudam desconfiadamente. O de agora que nos inunda de moderna tecnologia e uma bolha de crescimento deslumbrante. Usinas, construção civil, obras e mais obras, quase tudo concentado em Porto Velho. Também  indústrias se instalando. Do outro lado a hegemonia do leite. Pouca platação de arroz e feijão. Vi em Governador Jorge Teixeira sacarias de milho vinda do Mato Grosso. Ali perto, em Colina Verde já comprei muito milho.Agora ninguém mais planta. É pasto. Criação de gado para corte e leite. Café, pouquíssimo. Cacau raramente. Arroz nem falar. Pouca pantação de frutíferas. Alerta: o Estado tem que se voltar às origens. Agricultura familiar, café, cacau, seringa, reflorestamento, frutiferas e mais tecnologia de produção. Será um perigo continuar como está. A manocultura vicia, acomoda, empobrece.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

O FUTURO DAS CIDADES BRASILEIRAS




A relação dos municípios com Brasília está mudando pouco a pouco. Até agora o Prefeito bem relacionado busca recurso do Orçamento Federal através de emendas parlamentares (deputados e senadores). As emendas estão com os dias contados. Como o recurso próprio geralmente é pequeno e mal dá para custear a máquina de cada município, os investimentos em asfalto, praças, água e esgoto, ginásios esportivos, escolas, centros de saúde ficarão seriamente comprometidos. Só tem uma saída: governar com o povo. Com a "força do povo". O que é isto? As parcerias cada vez mais frequentes. Prefeitura faz um pedaço e os moradores fazem o outro. Tudo deve ser dividido. O Prefeito que não cuidar de sua receita própria vai ficar enrolado. Já começamos aqui a governar assim. Não é fácil. A população ainda não tem esta cultura. Reage fortemente. Mas, sem dúvida, esta é a única alternativa possível.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

CAMPANHA POLITICA - GUERRA CAMPAL VERDADEIRA


O dia a dia de uma campanha ou mesmo a bendita pré-campanha de mais de um ano, não é fávil. Um longo aquecimento. É como se  fosse uma aventura. Tem gente pra tudo nesta vida.  É isto mesmo, a campanha é um exercicio de maneabilidade na floresta, no pântano, no cerrado virgem. É entrar naquilo que não se sabe o que vai encontrar.

 É um jogo imprevisível. Assim como tem os que amam a aviação, os enduros no deserto, as travessias de mares a nados, os peregrinos do Juazeiro e de Trindade, os que andam sobre fios nas alturas, os que escalam montanhas, tem também, nós, jovens e velhos aventureiros das campanhas políticas. Em nada difere de todos os outros aventureiros. Aqueles que amam o risco. Aqueles que não temem os fracassos.

 Sou um destes. Gosto do que faço. Amo este jogo perverso. Adoro sofrer nos pregos da vida. Para depois me arcar com todos os pesos do mundo sobre o meu ombro infinitamente frágil. Talvez daí tire o meu sentido de viver, meu doce-amargo prazer inexplicável.

GANHEI O PREMIO - MELHOR PROJETO DA REGIÃO NORTE




GANHEI!

Ganhei a minha Copa do mundo. Que bom! Também levantei a minha taça de campeão. Foi ontem, dia 19, em Brasília, o Oscar do PREFEITO SEBRAE EMPREENDEDOR, VI ANO, com meu Programa do Banco do Povo de Ariquemes e mais o PROVE ARIQUEMES e mais inclusão digital. O melhor projeto da Região Norte.

Como tudo na vida é uma disputa permanente. É bom ser reconhecido com uma premiação. Creio que cada Prefeito brasileiro poderia criar alguma coisa, pelo menos esdrúxula, meio torto que nem pau-terra do cerrado. Vale a pena criar alguma coisa torta, se não puder ser certa. Porque nada é mais monótono do que a burocracia do Estado. Ela é toda muito previsível. Não tem nada nela de extraordinário, a não ser seguir a trilha da coisa comum e julgada.

 Eu fico triste com toda esta paisagem de mesmice. Importante que se provoque algo nem que seja para merecer uma multa do Tribunal de Contas. Vale a pena pagar uma multa por ser criativo demais. Todo mundo foi contra a minha criação do Agente Comunitário de Educação. Eu fique "p" da vida. Mas, não me dei por vencido. Ainda vou lutar pelo Agente Comunitário de Educação, que saia pelos garimpos educando. Debaixo das árvores, no quintal, na beira do rio. Um caxeiro viajante educacional.

 Deixe pra lá.

Agora vou tomar uma taça de vinho tinto. E comer alguns salgadinhos a que tenho direito. Também tirar fotografias, nada será igual a este momento, até pode ser melhor, mas, este momento é inesquecível.

A CARTEIRA DE IDENTIDADE EM TRES DIAS


Eu não concordo com isto. Nem que a porca torça o rabo. O serviço de identificação  do Estado, está ainda no tempo do telegrafista. Uma carteira pode demorar até l ano para ser entregue ao interessado. É um documento de primeira linha. Quando a PM chega na hora da blitz, ele fala: "IDENTIDADE, MEU CARA!". E aí você vem com a história de cerca-loureço, dizer que tem aqui o protocolo e que só daqui há l ano receberá a dita cuja. Com esta encrenca toda é bem capaz de já ter levado uns bons petelecos nas orelhas e se reagir vai parar no pau-de-arara.
 Tá certo isto?
  Creio que pode até ser, que a dita cuja identidade, vem por aí, com o estafeta dos anos quarenta, que anda a pé com alforje pendurado no pescoço. A minha proposta é revolucionária - identidade em sete dias. Falo sem ainda saber como, mas, se precisar vou atrás do Bill Gates pra ele me criar um "microsoft identidade" com exclusividade total. Vai ser assim. Em sete dias. A gente vai ao fim do mundo em poucos dias num boing supersônico, por quê não se consegue produzir uma identidade em sete dias? ô xente!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

CARTEIRA DE IDENTIDADE EM TRES DIAS

Eu não concordo com isto. Nem que a porca torça o rabo. O serviço de identificação do Estado, está ainda no tempo do telegrafista. Uma carteira pode demorar até l ano para ser entregue ao interessado. É um documento de primeira linha. Quando a PM chega na hora da blitz, ele fala: "IDENTIDADE, MEU CARA!". E aí você vem com a história de cerca-loureço, dizer que tem aqui o protocolo e que só daqui há l ano receberá a dita cuja. Com esta encrenca toda é bem capaz de já ter levado uns bons petelecos nas orelhas e se reagir vai parar no pau-de-arara.

Tá certo isto?

Creio que pode até ser, que a dita cuja identidade, vem por aí, com o estafeta dos anos quarenta, que anda a pé com alforje pendurado no pescoço. A minha proposta é revolucionária - identidade em sete dias. Falo sem ainda saber como, mas, se precisar vou atrás do Bill Gates pra ele me criar um "microsoft identidade" com exclusividade total. Vai ser assim. Em sete dias. A gente vai ao fim do mundo em poucos dias num boing supersônico, por quê não se consegue produzir uma identidade em sete dias? ô xente!

terça-feira, 18 de maio de 2010

TRIO PARADA DURA


Na política você pode virar o montueiro de livros que tem por aí, fartamente, e sempre encontrará a mesma coisa. Os ciclos não param. Um governo bom e tres ruins. O liberalismo com portas abertas para os mercados. O socialismo absoluto com o Estado forte. É a economia do Estado absoluto contra o capitalismo selvagem. E por aí vão entrando os meios-termos de tudo na vida. Sempre tem os "deixa-disto", ficando no centro, uma hora para um lado e outra hora para o outro. E o mundo continua. Se tudo for feito com democracia pelo meio, até que não dá para ficar bravo.

Mas, quando o capitalismo é de extrema direita, ditadura de verdade ou com o socialismo de esquerda, daquele jeitão de Fidel e de Lenin, aí, meu irmão saia da frente. Tá vendo aí a China, governo forte, partidão sem abertura, mas, economia livre. Um meio termo. Ainda tem Hong Kong no meio do país que é outro país.

Agora, aqui na América Latina, meu irmão, não dá nem para rir e nem para chorar. Quando se vê um Chavez, Evo Morales, Rafael Correa, meu Deus do céu, é a velha esquerda tomando conta do pedaço. Nem sei onde vamos parar. Fica o Lula e Cristina Kichner no meio do campo. Distribuindo a bola, para um lado e para o outro. Ninguém sabe de que lado estão. E vão jogando. E vão jogando....

AS TRES CATEGORIAS DE POLICIAL (SOLDADO PM)

Policial antes de tudo tem que ser policial assumido.

Nunca vi isto. Soldado de primeira, soldado de segunda e soldado de terceira. Como se fosse carne com osso, carne de segunda e de primeira. Quando mandar para rua, quem você mandará, o soldado de terceira, o de segunda ou de primeira. Quem vai prender o traficante?

Quem vai para a reintegração de posse? E quem vai dar a cobertura a equipe na hora do tiroteio com o bandido? Aí o negócio fica difícil. Será o que o soldado de terceira é aquele que andará pelas ruas, desarmado, que nunca pegará no pesado, quando encarar o osso duro, ela cairá fora, sairá correndo de medo, porque o seu soldo é menor, a sua categoria é ainda sem consolidação. Será que ele será eternamente um aprendiz, um aluno, um simples reco?

Não concordo. Vou rever a legislação estadual e na hora certa, lá frente e ainda este ano, voltarei a este tema, mas, de certa forma, que não concordo no modelo dos estratos hierárquicos dentro da mesma categoria. Pra mim policial é policial e não tem esta de policial mais ou menos.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

LEANDRO E LEONARDO NO CINEMA

A história da dupla sertaneja Leandro & Leonardo deverá chegar às telas no início de 2012. Em conversas com amigos, Leonardo estimou que o filme custará 15 milhões de reais, mas que poderá arrecadar 40 milhões. O cantor já começou a pedir contribuições para a sua realização. A Nestlé aceitou bancar parte dos custos da fita, que será produzida pela DB, de Diogo Boni e Angelo Salvetti. Ambos encomendaram projetos de roteiro a três estúdios de Hollywood. Selecionarão um deles ainda neste mês. Boni e Salvetti também pretendem contratar nos Estados Unidos os responsáveis pela fotografia, edição e maquiagem.

A história da dupla sertaneja Leandro & Leonardo deverá chegar às telas no início de 2012. Em conversas com amigos, Leonardo estimou que o filme custará 15 milhões de reais, mas que poderá arrecadar 40 milhões. O cantor já começou a pedir contribuições para a sua realização. A Nestlé aceitou bancar parte dos custos da fita, que será produzida pela DB, de Diogo Boni e Angelo Salvetti. Ambos encomendaram projetos de roteiro a três estúdios de Hollywood. Selecionarão um deles ainda neste mês. Boni e Salvetti também pretendem contratar nos Estados Unidos os responsáveis pela fotografia, edição e maquiagem.

FONTE - REVISTA VEJA

ORDEM, HIERARQUIA E DISCIPLINA





Ainda tenho em mim algum ranço da vida militar. Pois, na juventude, fui Sargento da PM de Goiás. Segundo Sargento PM 731 por dez anos. Por isso, não concordo com bagunça na vida militar. Não tem esta de se promover sargento a coronel e nem passar os carros na frente dos bois.

A PM tem regulamento. Tem ordem. Tem disciplina e tem hierarquia, não se pode conviver com uma tropa sem estes dois pilares indispensáveis -  DISCIPLINA E A HIERARQUIA. Não tem esta de ser amigo do rei e ir passando à frente quem quer que seja.

Estou aí na peleja de uma disputa eleitoral a partir de julho. E vou falar isto mesmo na hora H. Não é para ganhar a confiança da PM antes da hora. É para falar a verdade e cumprir depois. Comandante Geral da corporação deve ser escolhido entre os três coronéis mais antigos. E o nome do escolhido fica a critério do Governador, depois de uma conversa com cada um deles. Com esta conversa e mais as informações vai-se chegar ao nome que se identififca com o perfil político do governo.

E de jeito nenhum, em absoluto, ferirei os principios da ordem, disciplina e hierarquia. Se fizer isto estou destruindo a moral da tropa e bagunçando o coreto, ao invés de uma corporação exemplar, tudo ficará meio a deriva, sem comando, sem obediência e sem metas. O objetivo geral é paz da sociedade, a ordem pública acima de tudo e cumprir os mandados judiciais. E ainda por cima - ter uma tropa motivada e mobilizada.

domingo, 16 de maio de 2010

POR UM SIMPLES EXAME, UMA LONGA VIAGEM

A ambulância segue para mais uma viagem. Uma viagem longa por caminhos bravios. O doente dentro dela. O custo - combustível, diária do motorista, desgaste do carro, diária enfermeira acompanhante, um parente, o risco de vida. E tudo isto apenas para se fazer uma tomografia, uma mamografia, uma ressonância magnética.

É o sistema de saúde que é assim. Custoso e difícil. Penoso para os mais pobres. Mortal para os doentes mais graves. É o sistema perverso que é assim, centralizado, burocrático, difícil, extenuante. Mas, é assim... E não pode continuar assim. É por isso que não dá para continuar com este sistema arcaico e desumanizado.

Estes serviços podem ser contratados e devem ser contratados nas regionais de saúde. Porto Velho, Ariquemes, Ji-Paraná, Cacoal, Vilhena. Se não existe no serviço público. Contrate-se serviços privados mediante convênios. É só isto. No Brasil inteiro se faz assim. Aqui, infelizmente, em Rondônia a coisa é dura e ninguém pode reclamar. Ah! se um Prefeito reclamar ao Governo, já receberá na hora uma bordoada de reprimenda. E por isso, todo mundo se cala. Acha isto tudo um barato.

Estou aí, implantei o SUS em Rondônia entre os anos 1987 e 1988, sei fazer o serviço certo. Deixem comigo, podem me esperar que mou mexer os pauzinhos  para arrumar toda esta bandalheira que existe na saúde em Rondônia.

COM PRÉ OU SEM PRÉ TEM QUE SE MOSTRAR A CARA


É o que estou fazendo. Correndo o trecho pra valer. Se sou conhecido mais num lugar que noutra, vou a todos do mesmo jeito, a meta é por a cara na rua, estender a mão a todos, sorrir, abraçar. Quando falo digo a verdade. Com a verdade não se pisca e nem se brinca. É o olho no olho, é sentir firmeza, passar um certo encanto. É por aí que vou, me estirando feito um réptil, entrando nas locas das pedras e me encolhendo enquanto posso.
Ontem conversei com pastores evangélicos em Rolim de Moura. Eles me disseram que são uma legião de voluntários. Que prestam serviços comunitários. Que educam. Que tratam doentes dos diversos vícios. Que ensinam a tolerância e o amor. Que valorizam a família como um núcleo sagrado. Que também fazem papéis de governo, que pregam a salvação das almas e dos corpos aqui na terra.
Eu ouvi tudo bem calado e tudo entrou no meu sangue como um novo turbilhão de oxigênio. E eles me disseram - "basta de tanta obra, de tanto asfalto, de tanto buraco e de tanta ponte. Chegou a hora de se investir no povo, na gente, na dor, educação, mais humanismo".
Viram aí, meus amados!

sábado, 15 de maio de 2010

AGROINDÙSTRIA FAMILIAR

Quem lhe disse, meu cara, que indústria tem que ser grande? Vi este programa em Brasìlia, visitei e gostei. Ao assumir a Prefeitura em 2005, trouxe à Rondônia o Professor da UNB Joao Luiz Homem de Carvalho, para introduzir no município de Ariquemes as bases teoricas e os fundamentos do PROVE (programa de verticalizaçao da agricultura familiar). Nada mais é do que a produçao agroindustrial na pequena propriedade rural. Produzir comida de qualidade. Tudo feito com a participaçao do agricultor, com muito treinamento. Deu certo. Serve de modelo ao Estado. E tem muitos outros municipios do Estado de Rondônia. Em Ariquemes os produtos das pequenas indústrias rurais sao vendidos nos mercados, feira do produtor, de porta em porta. E também para a prefeitura, principalmente para a merenda escolar. O produtor ganha mais dinheiro. Melhorar sua autoestima. E assim por diante.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

LEI ÁUREA

Dia 13 de maio, ontem, data histórica importantíssima para o Brasil. A assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel, pondo fim a escravatura brasileira. Foram trezentos anos de horrores "legalizados" no país. Por isso que todos nós, mestiços de negros, indios e europeus, nós todos, mesmo sem ter nada a ver com tudo isto, mesmo nós, indiferentes, temos sim e muito a resgatar e a pagar. Mesmo que em suaves prestaçoes, teremos que pagar a dívida que temos com nossos negros. Foi tudo muito triste e humilhante. O que nos faz ter muita vergonha de nossa história. O que nos resta é oferecer outro movimento abolicionista para todo o povo brasileiro: O EDUCACIONISMO. Para chamar para dentro do paìs os negros excluídos social e economicamente. Chamar todos eles para dentro, oferecer um diferencial a mais, por exemplo, que seja este pagamento feito em mais educaçao para eles. Hoje, debate-se por lei de quotas, sei lá se só isto basta. Mas, fazer de tudo para pagar a conta da história feia e horrorosa que os nossos ancestrais patrocinaram "dentro de uma perversa legalidade".

quinta-feira, 13 de maio de 2010

UM PACTO ESTADUAL PELA SAÚDE DE QUALIDADE

Tenho rodado o Estado. Realmente a saúde tem recebido cartão vermelho em quase todos os municípios. O povo não está satisfeito com o serviço. O trabalhador da saúde não está satisfeito com o sistema. O ciclo é perverso e se fecha. Só tem uma saída - um pacto estadual. Este pacto compreenderá Governador, Prefeitos, Vereadores, Deputados Estaduais, Federais, Senadores e trabalhadores da saúde (do médico ao zelador). E este pacto implicará em saber ouvir e negociar. Chegou a hora de se propor um armistício entre governo e sociedade pela melhoria dos serviços de saúde. Formar os grupos de discussões e assumir compromissos claros com os trabalhadores da saúde, de forma tal a se compor um novo cenário estadual confiável. Tive com o Sindicato dos médicos e no Conselho Regional de Medicina no dia de ontem. Ouvi os clamores dos médicos e assim irei continuando com as demais categorias para poder formar um juízo de valor.

DEVE-SE PROMETER EM ALTA VOZ E BOM SOM

O candidato deve falar com convicção. Deve expor o seu plano de governo em alta voz e bom som. Gritar aos ventos o que fará se for eleito. Não é nenhum defeito assumir compromissos. A palavra tem energia, tem força, com as águas dos rios. As águas correm e se represadas transformam em energia elétrica. Assim é a palavra que também tem energia. Quando você fala ao universo, emite uma força interior, ainda mais se esta força vier do fundo da alma. Aí sim, ela ficará no universo. Mais outras palavras, outros compromissos, todos ficarão suspensos no mundo. Depois estas forças serão chamadas para se transformarem em ações verdadeiras. E a força deve ser forte para superar todas as energias em contrário, os vetores negativos. Depois podem surgir os acontecimentos inesperados, estes poderão ser favoráveis ou podem vir para conspirar contra os seus projetos. Tudo depende de se estar preparado e a prudência aqui é sempre a maior aliada.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

NÃO SEREI GOVERNADOR DE MASMORRAS MEDIEVAIS

Centro de Ressocialização – mudar a concepção de cuidar do preso. Criar um modelo, um laboratório, aqui não irei copiar nada. Criarei ou adaptarei de outros modelos. Mas, se tiver copiar eu copio. No entanto, vou conversar com Clodomir e ele irá me ajudar e conceber um novo modelo. Ao Geraldo Assis para que ele pense e ele é inteligente irá me ajudar. Outros tantos inteligentes, criativos, pós-modernos poderão me ajudar nesta criação de modelo de ressocialização, como está não quero, não serei governador de masmorras da idade média e nem em Guantanamos contemporâneos.

GUERERÊ É MELHOR QUE VIAGRA

Quem me disse foi Maria Emília Infante Gonçalves, ela que é pescadora em Costa Marques e atual Presidente da Colônia de Pescadores. Quando casou foi morar no barco. E vivia no rio. Foi parindo, chegou a seis filhos. Todos eles trabalhados e gerados no barco e no Rio Guaporé. Ela me disse que foi o efeito do "guererê", um caldo de miúdos do tambaqui. Incluem a guelra do peixe e vesícula de ar que tem por dentro. Bebe-se diáriamente. O marido confirmou que é tiro e queda. É tomar e funcionar. E sai da frente que lá vem menino novo.

VER PARA CRER

Sou daqueles que prefere o ver para crer.  Por isto,  todo desenvolvimento de novas tecnologias, plantios, enfim, toda novidade que se queira introduzir no Estado deve acontecer depois que agricultores ou comerciantes possam visitar modelos novos e inspiradores. Além do mais visitar modelos que deram certo. E que principalmente as pessoas envolvidas estejam satisfeitas e ganhando dinheiro.  Com este pensamento que se pode levar gente de Rondônia para visitar modelos de reflorestamento de espécies regionais e que deram certo. E ouvir quem tem experiencia sobre cuidados, manejos, lucratividade de florestas plantadas. Tem países mundo afora que são antigos e que plantam florestas e exportam madeiras para outros países bem mais do que o Brasil e tem grandes rendimentos. Não se pode viver apenas da extração de madeira das florestas nativas. Estas florestas se não manejadas corretamente bem cedo encerrarão os seus ciclos produtivos. É por isto que digo - é necessário ver para crer.

O TANQUE REDE

Creio que chegou a hora de trabalhar a consciêcia e o conhecimento dos ribeirinhos, pescadores artesanais e de todos aqueles moradores no Estado que além de serem pesacadores profissionais ou não possam também trabalhar a produção do peixe em cativeiro.  Usar as águas dos lagos e rios de Rondônia, que são muitas e diversas.  Não dá para somente viverem da pesca convencional devido aos períodos da piracema e reprodução dos peixes. Mas, também que o pescador seja também um criador. Creio que somente será eficaz qualquer investimento neste setor, o da criação de peixe em tanque rede com permanente assistência técnica, preparação massiva das famílias, a nova consciência e aí sim, depois de todo mundo bem treinado, motivado pode-se chegar com o crédito e iniciar o serviço.

CONVERSA COM O VELHO MESTRE

William Cury me disse que a base desta campanha será a da HONESTIDADE E DA COMPETÊNCIA.  E que o tema ambiental deve ser tratado sim e com clareza. Para que deixe bem claro qual o rumo que o Estado tomará. E me disse ainda que o Zoneamento Econômico e Ecológico de Rondônia não poderá  ser peça de decoração e de discurso, mas, de política de Estado séria. E que seja estudado e praticado com realismo além de uma grande mobilização no Estado pela modernidade tecnológica e um novo modelo de agricultura centrada na eficiencia. Foi muito bom falar com alguém que trabalhou pelo Estado até o presente momento.

SELEÇÃO BRASILEIRA DE 2010

terça-feira, 11 de maio de 2010

ARIQUEMES CONQUISTA VAGA PARA AS SEMI-FINAIS!!!!

ARIQUEMES CONQUISTA VAGA PARA AS SEMI-FINAIS!!!!
     

EM UM JOGO ELETRIZANTE A EQUIPE DO ARIQUEMES CONSEGUE PASSAR PARA AS SEMI-FINAIS DO CAMPEONATO RONDONIENSE DE FUTEBOL DE 2010!!!!!
Precisando da vitória o time do Ariquemes é todo ataque e numa bola perdida no meio campo o contra ataque do Genus, Anderson abre o placar no Valerião aos 10 minutos de jogo. Correndo atrás do prejuijo o Ariquemes aumenta a pressão e de cabeça Batista empata para o Ariquemes
e antes do apito finalTardeli aos 45 minutos da etapa inicial vira para o time da casa
O Ariquemes que briga com o Moto Clube por vaga no G-4, esta fazendo o dever de casa, já o Moto Clube perdia para o Lobo do Serrado, o VEC. Aos 5 minutos da etapa complementar, Batista comete pênalti e é expulso, o Genus vai pra cobrança e desperdiça a chance de empatar o jogo, Ari faz uma bela defesa!!! Logo en seguida Léo empata para o Genus, tudo igual no Valerião!!!
Quase no final do jogo falta a favor do Ariquemes. Cesinha vai pra cobrança e marca do Ariquemes que garante vaga para o G-4!!!! Final Ariquemes 3 x 2 Genus!!!!
Fonte: Nivaldo Vieira - Pres. FUNCEL 

segunda-feira, 10 de maio de 2010

O COMPUTADOR E O VOTO

Eu mesmo sou muito chegado a novidades. Tudo que sai na revista ou jornal sobre tecnologia eu fico todo antenado. Querendo porque querendo entrar na nova onda. E tudo isto é muito louco e você fica meio biruta. Com a entrada do computador na campanha, melhor dizendo da Internet sei que milhares de candidatos estão achando que é só entrar e que vão ficar por cima da maionese.

Ledo engano, caro amigo. Ledo engano. Eu tiro por mim, quando chega este mundo de emails na minha caixa eu trato logo é deletar sem ler. Cometo até grandes equívocos. Alguns são importantes, até de amigos, mas, morro de medo do tal do vírus na máquina. Então, melhor deletar. Ou mesmo ser uma pegadinha destes meninos endiabrados, os tais de hackers.

Agora, a coisa veio pra enlouquecer os pré-candidatos brasileiros, que acham que todo mundo virará um OBAMA de uma hora para outra. A coisa poderá pegar no futuro. É importante ir xeretando o twitter, orkut, facebock e mais e mais. No entanto, por aqui ainda vai valer a presença física, o comício que pra mim é paquiderme em extinção, a carreata, o foguete, o santinho e tudo o mais. As redes sociais são apenas doces ilusões para o momento, mas, que são tentações de consumo, tenho certeza que são.

domingo, 9 de maio de 2010

QUE PRÉ CAMPANHA LONGA MEU DEUS DO CÉU


Tem sido uma reclamação geral, em todos os Estados, que a campanha eleitoral (pré-camapanha) deste ano começou muito cedo. Mesmo lá por cima, os prováveis candidatos a presidentes da república vem rolando os nomes há mais de um ano. E todo mundo se mexendo por aí. Aqui em Rondônia foi a mesma coisa.  Puxa vida, até está parecendo que estamos imitando os Estados Unidos. As prévias americanas são de amargar, um sufoco danando de correia e gasto de dinheiro. Nem sempre o que seja bom para os Estados Unidos será bom para o Brasil também. Nós gostamos de imitar, mas, nem tanto. O financiamento de campanha no Brasil ainda é um tabu medonho. Pior ainda é pré-campanha. E todo mundo vai para a mesma cova ou covil, seria impossível uma campanha tão esticada. Mesmo assim, acho que a deste ano está passando dos limites. Mesmo que não se queira, em tudo vai dinheiro, para viajar, combustível, carro, comida, hotel. Veja bem. Onde é que nós vamos parar?  E nem mesmo começou a bendita da campanha, ela só irá para as ruas  na forma convencional em 7 de julho. Mas, até se mobilizar tudo e jogar a camapanha pra valer nas ruas creio que só depois da Copa do Mundo. Como é que se faz campanha durante a Copa, o Brasil fanático por futebol, é melhor deixar a bola rolar primeiro. E depois iremos atrás dela.

DIA DAS MÃES NO JARU

Resolvi ir sozinho ao Jaru para descansar a equipe. Encontrei-me com Jonassi, Professor Natan e Roberto no Posto de Gasolina da cidade. Fomos direto à feira de rua, dar uma volta, cumprimentar pessoas. Encontrei muita gente do Assentamento Novo Amanhecer que fica no município de Ariquemes. Eles são feirantes por lá. Fui andando, sol encoberto por nuvens, um friozinho insolente misturando com ventania, talvez mudança mesmo de estação, chuvaosa para a seca. Parei numa barraca para comer uma tapioquinha. Visitei açogueiros. Fui à festa da Prefeitura para as mães, muita gente num ginásio de esportes. Almocei na casa do Seu Quelé (Clementino) um dos mais antigos companheiros do PMDB da cidade. Quase 80 anos e só vota no manda brasa. Saí de lá às 14 h para a festa do Élcio Moreira, o Bingão das Mães, creio que estava no campo de futebol cerca de cinco mil pessoas, contagem no olho. Muita gente de Ariqueme por lá para bingar 12 motos. Creio que terei insolação, não me protegi com protetor solar, o sol quese invisivel, mormaço, enganador, este queima mais que o sol a pino e claro. Voltei pra casa e ainda conversei com mais alguns amigos e conselheiros. Agora, meu irmão, vou levar o chocolate para minha mãe. Já é noite.

sábado, 8 de maio de 2010

VAMOS ATEAR FOGO NA SEARA DOS FILISTEUS




Mirante da Serra, ontem, manhã chuvosa. Aguaceiro pesado. Paramos na casa do José Antonio que por outras circunstância é amigo, companheiro e é careca como eu. Tem gente que diz por aí que ele é meu irmão gêmeo. Se nascesse hoje até que poderia ser, com tanto furto de recém nascido em maternidade, tudo pode acontecer. No entanto, como nasci em casa de parto normal, "aparado" pela famosa parteira "Tia Maria" ou "Mãe Velha" aí não tem jeito dele ser meu irmão gêmeo. Mera semelhança, e já está bom demais. Muito bem, quando cheguei a sua casa, começamos a falar de política, ele que é um fanático PMDB, foi logo dizendo - "vamos atear fogo na seara dos filisteus". Daí cada um é que interprete a Bíblia como queira. Parábola é parábola, cada uma dá margem a um cem rumos de interpretações. E aí o Pastor Ismael completou a coisa - "vamos atear fogo nos rabos de mil raposas e soltá-las no trigal dos adversários". Não precisa de tanto, meu caro e dileto Ismael, nem tanto, vamos convencer os filisteus.

OURO PRETO DEU UM SHOW DE BOLA

Eu me levantei cedinho, cinco horas da manhã para um Cooper pela cidade de Ouro Preto do Oeste. Andei bastante, ziguezagueando pra baixo e pra cima. Gostei do que vi. Uma cidade limpa, bem pavimentada, principais avenidas recapeadas, tudo no lugar. Os pontos de taxi e mototaxi bem distribuidos na cidade, um gramado de esmeralda beirando a BR-364.

Mais tarde com o Senador Valdir Raupp e Deputada Marinha Raupp ciceroneado pela Maria Araújo, Presidente do PMDB local e Edson Vicente, para visitar a companheirada em lojas ou em casa, é a presença física, o contato indispensável. Até hoje ainda não se inventou nada em política mais eficiente do que o contato. O olho no olho. A magia do aperto de mão.

Uma reunião com os convencionais do PMDB na Câmara de Vereadores e com agricultores, idosos e visitantes no Clube Social. Francamente, meus amigos - Maria e Edson, vocês estão de parabéns. Também o Prefeito Alex Testoni está muito bem na cidade, agradando a todas as correntes políticas. Ouro Preto estava precisando de gente deste quilate.

A ASA BRANCA FOI SIMBORA....

Qual o brasileiro que não se cala ao ouvir ASA BRANCA de Luiz Gonzaga? É talvez o nosso segundo Hino Nacional. Por farta d'água perdi meu gado/ Morreu de sede meu alazão. E aí se vai ao Nordeste de secas malditas que empurra o sertanejo pra fora da terra. Quando oiei a terra ardendo/ Qual a fogueira de São João


Eu preguntei a Deus do céu,ai/ Por que tamanha judiação. Quando era menino sempre o mesmo Luiz Gonzaga atiçava fogo no coração da gente, boca da noite, o padre ligava a Maranata (altofalante) e dava noticia pra todo mundo e tocava o baião de Luiz Gonzaga. Eta tempo bom sô. Que a gente não esquece nunca. Inté mesmo a asa branca/ Bateu asas do sertão/ "Intonce" eu disse adeus Rosinha/ Guarda contigo meu coração. É isto aí gente, se quiser mais compre o CD pra matar a saudade.