Este blog vai ser redirecionado!

Blog redirecionado em 6 segundos!
http://confuciomoura.com.br
Aguarde.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Uma simples mulher e uma linda história de vida


Prestes a completar 65 anos de idade, com mais de 40 anos dedicados a prestar assistência a mulheres gestantes, sendo uma das mais competentes parteiras atuantes no início de Ariquemes, a hoje aposentada Valdira Mamede de Jesus, tem uma emocionante história de vida e de profissão. Ela lembra com nostalgia que ao meu lado (como médico pioneiro no município), ajudou a trazer ao mundo muitas crianças.
Na época que D. Valdira chegou a Ariquemes, eu como médico militante, cuidava praticamente sozinho de uma população que sofria com uma grande epidemia de malária, por isso a maioria das gestações tornavam-se de risco.
Com apenas 17 anos Valdira fez o seu primeiro parto, na cidade de El Dourado (MT) e se orgulha em dizer que aprendeu pela prática. Anos depois, já morando em Ariquemes, teve a oportunidade de fazer um curso de parto com mais 12 colegas de profissão, sendo a única que conseguiu receber o certificado no final da jornada.
Outro motivo de orgulho da aposentada, vem de nunca ter passado pela angústia de perder uma mãe ou mesmo um bebê durante o nascimento. Realizava os partos simples sozinha, e quando a situação pedia mais experiência, seguia com a paciente até o posto médico, onde eu atendia a comunidade.
Ligia é o nome da menina, que hoje deve ter mais de 34 anos, nascida na primeira cesariana que fiz com o auxilio de D. Valdira. Lembro bem da história, foi um parto muito difícil, mas conseguimos. Nasceu uma menina linda e saudável.
As experiências e as limitações materiais da época nos uniram (médico e parteira) numa amizade que atravessa os anos e que dura até hoje.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

COPENHAGUE - MAIS UMA FRUSTRAÇÃO


O natureza castiga quem a ofende. O homem sabe disto. As provas estão aí bem claras das alterações do clima e suas consequencias para a vida na terra. Agora, o homem fica entre a cruz e a espada. Parar o desenvolvimento econômico, deixar o PIB cair, para não permitir a subida da temperatura global. A China não concordou. Os Estados Unidos também. Ninguém quis meter a mão no bolso para compensar os países mais pobres. E terminou em Copenhague que nada mudou. As comissões voltaram  pra casa. Vão esperar mais uma rodada de boa vontade. E aí paira a dúvida o que é mesmo desenvolvimento?  Se para ganhar dinheiro e ficar rico tem obrigatoriamente de destruir a Terra, aí é melhor rever tudo isto.  Quem sabe viver mais simples. Eu mesmo, quando menino vivia  no Tocantins bem atrasado. Modo de falar hoje. Algumas bicicletas,  não havia tratores, um ou dois caminhões, carros de bois, jegues pra puxar lenha, luz de lamparina. A praça ficava cheia nos dias lua cheia.  Nos dias de festas de São Joao. A gente pilava arroz. Socava café. Comia beiju de tapioca ou cuscuz de milho. Eu cansei de tirar fubá de milho bem cedo no pilão para o café-da-manhã.  O banho era coletiva na bica. Todo mundo andava a cavalo. Os butizais verdejavam. As campinas eram virgens com emas e siriemas. Viam-se bandos de catingueiros. O boi criado na largueza dos ermos gerais. O ar era puro. Não se reclamava de fumaça a não ser dos monturos. E se dormia de janelas abertas.  Ninguém conhecida nada além daquilo. Era o nosso mundo. E todo mundo vivia bem feliz. Nem reclamava. Agora, meu Deus do céu, chaminés, queima de petróleo, tufos de fuligem pelos canos, esgoto a céu aberto, o homém nos píncaros do desafio. Nem tanto. Por lá era o radiotelegrafista. Agora é o celular. Eu não quero voltar aquela saudosa vida. Mas, não quero morrer nos vendavais, nas enxurradas inusitadas, nas tempestades descontroladas, nos milhoes de raios desembestados e nem invadido pelo mar revolto. Creio no meio termo. No bom senso. Por a ciencia para o lado do bem. Uso das energias limpas -  alcool combustível, o biodiesel, a energia solar, e o girar dos cataventos. E entrar aí no meio a palavra mágica - DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO OU SUSTENTÁVEL.

Confúcio

POR A CARA A TAPA


Campanha política imita guerra. Tal qual o duelo antigo. Quando um desafia o outro para luta, com regras, espadas, até que um lutador caia ferido ou morto. Creio que também que pode puxar um sentimento estranho, tal qual a torcida do Coritiba dias atrás no Estádio Couto Pereira no Paraná. Invadiram o campo. Quebraram tudo. Uma pancadaria geral. Mesmo sem motivo aparente, o homem pode ser puxado pelo efeito manada. Quando os candidatos se postam na rua, formam alas. Mesmo no regime democrático e liberdades plenas, puxa de dentro da alma o lado bicho do mato. E radicaliza. Nesta minha onda de me expor às redes sociais, fico feliz pela maioria das manifestações que me chegam.  Sei lá se vem dos amigos. Ou de velhos conhecidos. De quando em vez pinta a dura crítica. O "cruzado de direita no queixo". Aí eu fico tonto. E me seguro e sigo na luta. Dias atrás pelo orkut um cidadão falou asneiras das estradas vicinais de Ariquemes. Talvez esquecido como eram tratadas no passado, até quatro anos sem ver uma lâmina de máquina. Este ano a Prefeitura fez 600 km de boas estradas, recuperadas. Um terço delas apenas os pontos críticos. Também pudera. Choveu demais este ano. Ele bateu duro. Falou até do futuro, do que ainda não chegou que será a campanha para Governador. Respirei fundo. Puxei a calma do meu Espírito Santo e o respondi com elegância. Mas, deu-me tanta vontade de "dar também um cruzado de direita ou um baque no fígado dele". Não dei.  A Internet é maravilhosa. Creio que será o novo palanque das futuras campanhas. Aí nestas nuvens de iluminação do espaço sideral, o campo será vasto e imenso, o campo será mundial, a campanha será local, mas, os efeitos serão estratosféricos.Mas, o homem é um animal imprevisível e muitas vezes improvável. No entanto, eu sempre insisto em pensar diferente. Que o homem é bom.

Confúcio

domingo, 27 de dezembro de 2009

Rio Jamari, nosso orgulho




Tem alguma coisa de mágico entre o rio e a cidade. Não sei se a largueza, a fluidez, o encanto com as águas. O mistério do pescador e o peixe. Tudo talvez produza uma estreita relação de amor do homem com o seu rio próximo. Mais profundamente pode-se entender isto tudo na psicologia humana, como o amor materno. O animal no útero nadando no líquido amniótico. O homem e o meio líquido, o calor, a nutrição, a relação de dependência, o afeto, o amor, a própria vida. O rio é assim. Ele tem a cara do seu povo. Ele tem o lirismo do poeta. Ele tem o abismo das nossas ilusões. Tem o romantismo do amor jovem e velho. Vamos para o rio nos acalmar! Vamos para o rio nos acamar na areia limpa e clara.
Aqui é o Rio Jamari o nosso orgulho. E os demais afluentes tanto quanto importantes, o Canaã, Tabapuã, Candeias, Massangana, Rio Branco, São João, e por aí vai. Uma bacia hidroviária invejável.
O Nilo banha o Egito que revive a história da sua civilização. O Tigre e Eufrates testemunham o sofrimento do povo babilônico, hoje, Iraque e Irã. O Sena a cidade de Paris. O Tâmisa a cidade de Londres. O Amazonas a cidade de Manaus e Belém. O Potomac à cidade de Washington. O Rio Mekong no Laos, Cambodja, Vietnâ e Tailândia.
Nem preciso falar mais sobre a importância do Rio Jamari para as nossas próprias lembranças, para o nossso próprio orgulho, a nossa soberba. Porque o Jamari tem a cara de Ariquemes, como o Tietê tem a cara de São Paulo. A feia cara da poluição e do desmando do seu próprio povo. O Tietê não merece rima e nem romantismo, principalmente no seu trecho paulistano.
Nenhum rio brasileiro é mais amado que o Rio São Francisco, banha o Nordeste, na sua bacia que de tudo plantando dá, parreirais, manga, melão, melancia. As carrancas do São Francisco, a baião de Luiz Gonzago, a literatura de cordel, Juazeiro e Petrolina. De tão generoso o São Francisco vai se transpor em vários canais para molhar a vida e a terra do semiárido brasileiro".


SÉRIE: MÉDICOS DE ARIQUEMES II - SETOR PÚBLICO

É muito difícil elogiar. Porque quando se elogia um, comete-se injustiça igual ao não elogiar o outro. Porque todo homem tem o seu merecimento. No entanto, partindo do princípio que o homem erra, sigo em frente para, hoje, elogiar publicamente três médicos da nossa cidade - SÉRGIO ANDRADE, PAULO MELEIP E EMILIA UEDA.  Emília viveu conosco por cerca de vinte anos. Sempre devota a saúde pública, especialmente hanseníase e a tuberculose. Uma devoção incrivelmente maravilhosa, tal qual a Irmã Dulce. Sérgio Andrade é cirurgião, não tem hora, cria e improvisa, a falta de um fio especial de sutura não o abala, sempre tem uma alternativa de solução. É o famoso pau-pra-toda-obra. Com ele é assim - ou vai ou racha. Sobre os seus ombros se assenta a história da medicina nesta cidade, principlamente o apoio aos mais pobres e desvalidos. PAULO MELEIP  tem a face do mestre. A serenidade de quem nasceu para liderar. A cautela metrificada nas suas palavras. A sabedoria do filósofo que sempre tem a palavra certa na hora difícil. É um obreiro da medicina, da pediatria à medicina social até as portas da medicina legal.  A estes três pilares, que posso chamar itaúbas verdadeiras da nossa cidade, o meu singelo reconhecimento pela grandeza de suas majestosas ações.

Confúcio Moura

sábado, 26 de dezembro de 2009

Segurança Pública, um dever de todos


Quando se lê a Constituição Federal percebe-se que o município nada tem a ver com a segurança pública. O contrabando, o tráfico de drogas, os crimes financeiros estão na esfera federal - Ministério da Justiça. A investigação do crime comum, furto, trânsito, roubo, homicídio cabe à Polícia Civil e a prevenção da criminalidade e a prisão do criminoso à Polícia Militar que estão sob o comando do Estado. E o município? Nada. Assim é bom demais. Basta criticar e reclamar. Basta botar a população de cada município contra o Presidente da República e o Governador do Estado. Mas, não é bem assim. O município é o grande prejudicado com o crescente índice de violência. Porque a violência prejudica a imagem da cidade. Deprime a economia. Nenhum empresário de bom senso vai instalar uma empresa para ser assaltada e nem o seu gerente ser seqüestrado.


Daí o Governo Federal criou um programa muito bonito - o PRONASCI (Programa Nacional de Segurança Pública e Cidadania). Só tem que não atende as cidades médias. Apenas às regiões metropolitanas. Está errada esta concepção. Porque muitos municípios médios e pequenos têm índices alarmantes de criminalidade. E o PRONASCI cruza os braços. Da mesma forma as Secretarias Nacionais de Justiça, Antidrogas que pouco ou nada tem atendido a municipalidade para a correta prevenção do uso abusivo de drogas. Enquanto tudo isto acontece, na mais perfeita omissão, o crack domina a adolescência e juventude brasileira como uma epidemia avassaladora.

Eu sou Prefeito e quero assumir o meu pedaço, quero reduzir a criminalidade em Ariquemes e foi pra isto que criei a Guarda Comunitária da cidade para fazer o que o Rio de Janeiro hoje está fazendo - por lá se chama UPP (Unidade de Polícia Pacificadora). Um policiamento ostensivo de rua, sem armas, a pé, integradora com a comunidade, sendo o policial um agente da comunidade, resolvendo problemas, fazendo coisas para melhorar a situação econômica dos moradores. Isto é, trabalhar a prevenção. Além do mais tenho certeza que as igrejas podem também ajudar assumindo o PROERD - um programa escolar de orientação de alunos sobre as drogas e suas conseqüências.


Muita coisa a Prefeitura pode fazer. E aqui em Ariquemes estamos fazendo. Pode-se ver o Programa Burareiro de Educação Integral, que tem este objetivo de trabalhar integralmente o jovem na sua comunidade. Melhorar tudo, qualidade da educação, cidadania, esporte, infra-estrutura do bairro e a vida das pessoas. Por isto, o município pode e deve contribuir com a redução da criminalidade. É possível.


sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Eficiência na Gestão da Merenda Escolar



O desafio é grandioso, o de dar comida para os alunos. E aqui em Ariquemes é bem maior ainda devido termos o maior número de alunos do ensino fundamental sob a responsabilidade do município. O dinheiro da merenda é curtíssimo. Antes o valor era de R$l por aluno, depois aumentou para R$ 2 e agora chegou a R$2,6 por aluno devido ao Projeto Burareiro e o programa mais educação.


O MEC tem olhando Ariquemes com bons olhos. O Burareiro puxou o resto. Vieram mais recursos para a merenda para 10 escolas, no que chamaremos de Burareiro modificado e o que MEC conhece como MAIS EDUCAÇÃO. A merenda fez milagre.

Em 2005 descentralizei a compra para as próprias escolas. Ali perto tem horta, armazém, padaria e açougue. É para comprar comida no bairro. Deixar o dinheiro ali. Movimentar a economia no entorno da escola.

Construí a horta municipal com imensa fartura de legumes e verduras. Veio a compra direta do produtor. O agricultor familiar vende o que tem para escola. Compramos do PROVE polpa de frutas, leite, biscoitos e rapadura. E tudo foi mágico e maravilhoso. A nutricionista arruma o cardápio. O Conselho da Merenda fiscaliza o gasto e a qualidade. Tudo deu certo. Ganhamos prêmio de eficiência da gestão, também de iniciativa que produz desenvolvimento local. E de agora em diante, com mais sabedoria podemos produzir ainda melhores resultados.

Estou satisfeito e é apenas o começo de uma revolução na educação através de novos programas como ROÇA ESCOLA e hortas escolares. A educação vai melhorar e vai mesmo. Porque os diretores estão com vontade e tudo em 2010 será ainda melhor.


Feliz Natal Povo de Rondônia


ELIANE ROCHA E MANOEL BALDUINO - POR JUSTIÇA

Nada melhor do que se fazer um elogio verdadeiro. Ainda mais num dia tão especial como o Dia de Natal. E o elogio vai para o Hospital da Criança de Ariquemes, especialmente para duas pessoas - ELIANE ROCHA E MANOEL BALDUÍNO.  Eliane dirige a entidade há cinco anos. Manoel varre o entorno do hospital. Cata folha caída, lixo jogado fora do lugar, rastela, carpe, limpa. Diariamente os dois repetem a mesma rotina. Eliane lá por dentro, escarafunchando coisas, endireitando cortinas, cerzindo lençóis, pintando paredes, abrindo portas, melhorando banheiros. Além de trazer todo o pessoal girando em torno de suas metas. O uniforme, o horário, a comida, a limpeza, o bocal do aerosol, a poltrona para o acompanhente, a sintonia fina entre os médicos. Obom atendimento.  Posso dizer que a Eliane é a maestrina da orquestra. Ali ninguém pode desafinar. Se desafinar ela empina. Melhor mesmo é jogar em equipe. Passar a bola de um pra o outro. E assim que o Hospital dá criança dá um exemplo pra cidade.  Saia por aí à noite, com filho em aflição e veja que plantão mesmo de pediatria só tem, nas horas mortas da madrugada, no bendito Hospital da Criança.  E o Manoel persegue o caminho, o mesmo de cada dia. de cabeça baixa, humilde ostenta grandeza, a dimensão ética de fazer bem feito, de cumprir o seu papel de maneira irrepreensível.  Está aí o modelo de gestao pública exemplar, representado pelos dois, que não são dois, são muitos - médicos, zeladores, motoristas, cozinheiras, técnicas de enfermagem, enfermeiros, enfim, o time do Hospital da Criança de Ariquemes. O Oscar pra vocês.

Confúcio

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

SÉRIE: MÉDICOS DE ARIQUEMES - SETOR PÚBLICO

Hoje, por medida de justiça, ao final do ano, não poderia deixar de reconhecer o trabalho devoto e dedicado de três médicos extraordinários. Eles orgulham toda a categoria. Honram o que fazem.  Vão diàriamente além dos seus próprios limites. Sao:  AKIRA KOMATSU, FAUSTO E WALTER AKIRA. Os três são "fora-de-série", exímios profissionais, excelente relação médico e paciente, trabalham dia e noite, cooperam, sempre dispostos, embora sobrecarregados. Onde está a dor lá eles estão eles. Sao onipresentes. São médicos que vão além dos seus limites, trabalham todos os dias sem descanso. Atrás deles tem suas famílias, algumas com problemas, mas, não reclamam.  DR FAUSTO, 61 anos, especialista em quadril e ombro, tem em si, como castigo uma hérnia de disco, quando se deita na cama, para curto descanso, levanta-se com imenso esforço, lentamente, mas, alonga-se e segue a jornada diurna e noturna e nao reclama. Talvez seja ele o médico mais santo de Ariquemes. Esta é a palavra SANTO. O WALTER AKIRA é um warkholic, trabalha, trabalha e trabalha. Opera, opera e opra. É ético e tenta com carinho resolver tudo.  NA SÉRIE DE MÉDICOS DE ARIQUEMES, DESTACO E ELOGIO OS TRES, COMO MÉDICOS DIVINOS, ESPETACULARES. O QUE POSSO DIZER AOS TRÊS - EM NOME DO POVO DE ARIQUEMES? O MAIS ABSOLUTO, PROFUNDO RECONHECIMENTO E QUE TODOS SINTAM-SE ELOGIADOS PELO PREFEITO E QUE ESTE ELOGIO CONSTE EM SUAS FICHÁS FUNCIONAIS.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

PROVE ARIQUEMES - O sabor da nossa terra







PROVE ARIQUEMES seria como se experimentasse, degustasse os agradáveis sabores da cidade. Colocar na boca o doce encanto do seu próprio povo. Além do mais a introdução na língua de sabores exóticos que só esta cidade tem para mostrar aos seus ilustres visitantes.


O PROVE É UMA MARCA. Uma marca própria e distinta com a fisionomia patenteada da cidade de Ariquemes. Mas, a gente, sem vaidade se deixa copiar. E podem os outros tantos municípios copiarem o nosso gosto. Podem copiar o doce arranjo da nossa arte culinária.

Da forma de apresentar a rapadura, o leite pasteurizado na fazenda, o biscoito da Vanusa, a polpa de fruta do José Rodrigues, a tapioca, o doce de leite, o melaço, a farinha, a lingüiça, a carne defumada. PROVE é a indústria familiar em movimento. É o aproveitamento do que se tem no quintal. É produto industrializado pela família. É o começo de tudo. A razão de existir do produtor que vaidoso vende o seu produto na gôndalo do supermercado. Tudo limpo, acabado, higienizado e fiscalizado. Esta é a grandeza do projeto. É o que posso dizer "o tudo enfim" que faltava para chamar para dentro da cidade aqueles que sempre ficaram do lado de fora.

O PROVE é nosso, a escola compra o produto PROVE, o cidadão que visita a cidade leva o produto PROVE. Por isso creio que Governo é importante, mais importante ainda é o governo local, arranjador de inovações e criador de alternativas econômicas para o seu próprio povo, conseqüentemente, mais riqueza para todos.





terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Casa Brasil: expressão, acesso, cidadania





Falta no Brasil, de verdade, política de inclusão da juventude. Por isso, grande parte dos jovens não vê razão para estudar e nem trabalhar. Maioria fica por aí "zoando", sem rumo, sem lenço e sem documento. O que é uma pena. Não só pena, mas, prejuízo real de patrimônio humano. Porque daqui a pouco, o tempo passa, esta turma torna-se adulta e sem formação nenhuma para segurar as barras do país.


A CASA BRASIL saiu de uma destas dores da consciência da Presidência da República. Um programa ligado a Casa Civil e gerido pelas prefeituras em parceria com o CNPq. Só tem uma coisa, um programa altamente burocrático, emperrado, mas, que de qualquer forma temos a honra de sermos o segundo do Estado de Rondônia.

A criatividade da Casa é totalmente municipal. Tudo lá é para o jovem. Veio dinheiro para uma Rádio Comunitária, mas, não veio a autorização do Ministério das Comunicações. Vamos por a rádio no ar assim mesmo. Nem que seja rádio digital, fazendo fundo para os computadores e ambientes.

Tem telecentro. Tem auditório. Tem oficinas para conserto de computadores. Tem bibliotecas. Tem cursos. Agora mesmo acontece o curso de multimídia, rádio, TV, filmagem, edições e outras relações com a área.

A Casa Brasil é a casa da juventude. É por aí que encontraremos algumas razões para chamar esta turma para dentro do Brasil. Quero o jovem terminando o segundo grau. Quero jovem se profissionalizando. Quero o jovem na universidade. Quero jovem construindo o Brasil que queremos viver.


Parabéns Rondônia


segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Banco de Alimentos


Bresser Pereira disse que o desperdício atravanca o progresso do Brasil. E é verdade. Em todos os sentidos. O que é uma pena. Um país pobre, carente, que desperdiça, parece até um contra censo. Desperdiça papel, dinheiro, combustível, esferográfica, tinta, luz, água, enfim, tudo. Até mesmo o que não se poderia desperdiçar - comida. Pois é, desperdiça também comida. O Brasil que tem fome desperdiça comida. Os restaurantes desperdiçam, nos armazéns, mercados, supermercados, nas lavouras, no transporte de grãos, no Ceasa, na feira. Em tudo há desperdício de comida.


Ciente deste crime lesa-pátria, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome criou o programa Banco de Alimentos visando a combater o desperdício alimentar ou reduzi-lo.

Acredita-se que o desperdício seja da ordem de 20% do que se produz. Ariquemes fez convênio com o Ministério, aluga um prédio no Bairro Jorge Teixeira, tem caminhão, têm equipamentos, freezers, câmeras frias e outros. O alimento é adquirido por doações de mercados e supermercados, feirantes, lavradores e entram no banco. É processado, lavado, separado e acondicionado. Depois entregue para escolas, hospitais, cestas básicas, até mesmo para as solenidades da prefeitura, como coffee break. O que é um sucesso. Recebemos doações que oscilam de 6 a 10 toneladas por mês de alimentos. Só tem um supermercado de Ariquemes que prefere jogar comida no lixo a doar para o banco. Vou procurá-lo antes de anunciar o seu nome para o povo.


domingo, 20 de dezembro de 2009

TRANSPARÊNCIA (PALAVRA DO PREFEITO)


Olha gente, está tudo muito bom, mas, para o grande salto de qualidade, só está faltando uma coisa que o Diretor de Planejamento e o RH organizem o sistema de tramitação dos processos. Como inicia o processo? Pra onde vai o processo? Qual o tempo que ele pode ficar parado em determinado lugar? Quem recebe o processo, quem o despacha? Só fazer esta engrenagem funcionar e tudo ser colocado na Internet. A pessoa interessada não precisará ir à Prefeitura. Hoje, os advogados não precisam ir ao Fórum pegar informações dos seus processos. Até mesmo nos tribunais federais é a mesma coisa. Dá para o pessoal tirar certidões negativas da prefeitura sem pagar nada. Tirar em casa. Tirar no escritório de contabilidade. Clemirene coloque a folha de pagamento no portal da Prefeitura. Coloque nome e salário. Se tem hora extra. Se tem gratificação de desempenho. Se tem qüinqüênio e estas coisas todas. Qual é bicho? A isto tudo se chama transparência. Da mesma forma gostaria que os processos de compras também tivessem no portal. Até mesma uma dispensa de licitação. Por menor que seja ovalor. Tudo na NET. Aos olhos do mundo. AS COMPRAS PÚBLICAS. As cotações, pelo amor do papa Karol Wojtyla, façam-me o favor de buscar estes dados pelos modernos meios de comunicações. Não me mande ninguém com processo debaixo do braço rondando a cidade pelo sangue de Jesus. Eu quero modernizar a casa. Até queria que este desabafo fosse divulgado em todas as mídias da prefeitura. Excelentíssimo Secretário Marcelo a tarefa está em suas gloriosas mãos. Prazo - sessenta dias, a contar do dia 21 de dezembro de 2009. Boa sorte.

Confúcio

PÓLO DE MÚSICA DE ARIQUEMES


Há muito tempo vinha o Brasil querendo se arriscar na educaçao a distância. Há muita resistência pelos conservadores das universidades federais. Nao acreditam na educaçao a distãncia. O que é uma vergonha. O mundo inteiro avança nesta metodologia. Única e possível oportunidade de se levar educação superior de qualidade para todo o Brasil.  O Brasil profundo. O Brasil amazônico. O Brasil pantaneiro, caboclo, sertanejo. A UAB pode fazer justiça. Foi assim que em 2005 assinei o primeiro acordo da Universidade Aberta do Brasil (UAB) para Ariquemes. Está aí. A mil por hora. Eliane Rudey na música. Marines Vendramel na educaçao física e biologia. O município presente e parceiro. Ajudando muito. Tem aluno no curso de música de Sao Miguel do Guaporé, Presidente Médici e outros municipios de Rondônia. O diploma será conferido ao término do curso pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.  Sempre fui a favor da educação a distância. E serei sempre. A prova está aqui.  Vou tirar os meses de janeiro e fevereiro para buscar mais cursos para Ariquemes, tudo via UAB.  Parabéns para Eliane Rudey e Marinês Vendramel guerreiras da cidade.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Carta aos cidadãos ariquemenses

Prezados ariquemenses,




Bom dia!



Amanhã será um grande dia para Ariquemes, esta cidade é hoje bem desenvolvida aqui do interior de Rondônia. Há exatos 15 (quinze) anos atrás, Eu na condição de diretor de Engenharia e Planejamento da Eletronorte juntamente com meus companheiros de trabalho e autoridades do estado e do município aquela époça, após um esforço heróico, inaugurávamos a 1ª etapa da “Subestação Ariquemes”,a SE-ARIQUEMES-230KV,no nosso linguajá de Engenharia Elétrica,trazendo para cá através do “linhão” a energia confiável oriunda da UHE Samuel, acabando definitivamente com os racionamentos e a falta de energia que tantos sacrifícios impunham a população do interior do Estado de Rondônia principalmente as cidades de Ariquemes,Ji Paraná e Jaru. Agora, quinze anos depois, volto a esta cidade para uma missão semelhante e vejo o quanto ela mudou nos últimos anos e mudou para muito melhor; praças bonitas, ruas bem pavimentadas e sinalizadas, comercio forte com lojas bonitas, rotatórias no transito que facilita o seu fluxo, povo jovem e bonito. Grande parte desses feitos, graças a um conjunto de ações do gestor maior do município o seu Prefeito. Por uma feliz coincidência este cidadão é um amigo nosso em comum, o Dr. Confúcio Moura.




Nós como cidadãos Brasileiros e na condição de engenheiro da Eletronorte, nos sentimos orgulhosos, muito orgulhosos, depois de tanto tempo ainda podermos continuar prestando relevantes serviços a esta comunidade e a outras que fazem parte do nosso contexto de missões. Nossa felicidade se completa quando vemos que a comunidade da região e seus administradores corresponderam plenamente, e no caso de Ariquemes, até acima das nossas expectativas em promover o desenvolvimento da região, após a chegada da energia, ensino básico necessário é imprescindível para tal. Amanhã será um novo marco para Ariquemes, pois estaremos energizando a 3ª Etapa de Ampliação da SE-ARIQUEMES, disponibilizando ao município um total de 120 MW de energia limpa e confiável suficiente para atender a expansão do crescimento do município e vizinhanças em pelo menos mais 15 (quinze) anos afirmamos ser uma energia mais confiável porque atualmente não dependemos mais só de uma fonte geradora enviada de Porto Velho, estamos interligando ao SIN e isto nos dá mais flexibilidade operacional e conseqüentemente mais confiabilidade.

Ariquemes esta de parabéns!





Tenham todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo com muita luz e Energia.



Atenciosamente



Walter Coelho

Eng.º Eletricista

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Parque Florestal de Ariquemes


Nenhuma cidade de Rondônia tem no perímetro urbano uma reserva florestal - estilo amazônico, como tem Ariquemes. São 12 hectares de floresta, com 256 espécies nativas, três nascentes e tudo muito bem conservado. Antigamente, neste local funcionou o Zoológico de Ariquemes, que foi fechado há cinco anos. A concepção de bom uso dele será o da preservação absoluta. Cercá-lo todo, identificar árvores por árvore com técnica de manejo florestal, construir trilhas de acessos para estudantes e cidadãos interessados possam conhecer a sua composição florestal. Árvores tabuladas com nomes científicos e populares. Uma pista de caminhada bem iluminada. Proteção das nascentes, criação no parque de alguns animais domésticos, como gansos e patos para ornamentarem os lagos. Sede da Polícia Ambiental, da Secretaria do Meio Ambiente, viveiros, bromeliários, orquidários, auditórios, ambiente de lazer e entretenimento. Creio que será a segundo maior obra da cidade, depois, é lógico do serviço de água e esgoto. Já estamos abertos aos parceiros para o desafio deste grande projeto.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Os Micropoderes


Cada pessoa é um mundo especial. Ele é ele sozinho pronto e acabado. Agora, entenda uma prefeitura ou empresa, com tanta gente, querendo se impor do seu jeito e criando ilhas de poderes isolados. E tudo vai girando em torno deles. E a coisa não anda como devia. Porque cada um tem sua opinião, seu costume, seu hábito e o seu próprio regimento interno. São forças com poderes. Do outro lado o prefeito emite o seu jato de desejos e compromissos com força muito grande. No entanto, estas microesferas de poderes, emitem outras forças menores, muitas em sentido contrário. Muitas flechinhas contrárias. A força grande é resumida ou anulada pelas forçinhas. E termina não saindo lá na frente o objeto do desejo. Feliz de quem consegue mobilizar e energizar o grupo para que a força motriz, a grande, consiga vencer o nevoeiro. Como se fosse um time de futebol, ele sem desejo, comprometimento e espírito de equipe não consegue vencer ninguém. Neste mundo existe micromundos. Para o bem e para o mal.



segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

ESCOLA DA PAZ


"A violência deve ser combatida como política pública prioritária. E tudo isto deve partir do princípio, que o criminoso começa a sua vida com pequenos crimes. Aparentemente inofensivos. Como nada acontece que o repreenda ele vai perdendo o medo e cometendo crimes maiores. é uma escalada sem fim e nem volta. Então, a política pública deve começar na pré-escola até o segundo grau. criar dentro do ambiente escolar a cultura da paz. Neste quesito cada diretor deve ouvir a sua comunidade, dar sugestões, ouvir outras e criar as regras claras. Combater a violência é também educar contra a violência. A criação do conselho escolar de segurança é indispensável. Cada aluno que cometer qualquer deslize, falta de respeito, incivilidade, dano contra patrimônica, briga, lesão corporal, tudo enfim, deve ser chamado pelo conselho escolar e punido. A escala da punição escolar deverá estar contida no regimento interno da escola. Outro ponto indispensável é a introdução do Proerd com disciplina obrigatória. Cada ano ensinar um pouquinho para os alunos os efeitos das drogas no organismo humano e as suas conseqüências. Como evitá-las. que tal o placar da violência na escola, por exemplo, premiar os alunos pelo bom comportamento, compra de mais material esportivo, construção de biblioteca especial, um passeio turístico na cidade ou cidade vizinha e assim vai. Premiar coletivamente a escola pelo bom comportamento."

sábado, 12 de dezembro de 2009

EDUCAÇÃO INTEGRAL - BURAREIRO

O BURAREIRO DEVE SER OBRIGATÓRIO




Sempre pairou no ar a dúvida, o projeto Burareiro de educação integral deve ser obrigatório ou opcional? Claro que deve continuar como está - obrigatório. Justamente este é o diferencial dele para outros modelos - o de ser obrigatório. Se nao fosse não teria como se avaliar o seu desempenho. Nao posso afirmar que os meninos burareiros aprendem mais que os que estudam pelo modelo tradicional. No entanto, é clara a sua utilidade, tirou a meninada da rua. Não é vantagem tirar a meninada da rua?  Porque é ótimo soltar pipa. Jogar pelada. Correr pra cima e pra baixo. Fazer arte de todo jeito. O grande perigo é a falta de controle do menino pelos pais. Sei lá se nao estão ao lado de más companhias? Ao aluno Burareiro é mostrado inúmeras oficinas alternativas, a informática, o esporte nas suas variadas formas, dança, teatro, coral, a leitura, o reforço escolar e a alimentação. O Burareiro é um processo contínuo de aperfeioamento, por si só é um desafio imenso para a nossa cidade. É também um orgulho, uma marca indispensável e nao pode retroagir, só melhorar. A educação integral é a única saída para se melhorar a qualidade da educação. Basta que a escola seja atraente, diferente, motivadora, estimulante, ativa.


Confúcio

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

PRÊMIO GESTÃO EFICIENTE DA MERENDA ESCOLAR 2009

A festa foi bonita. No Centro de Convenções Brasil 21 em Brasília. Cheguei às 10,30 h, evento marcado para 11,30 h, atraso de 3 horas, por fim o Presidente Lula chegou. Prefeitos e convidados estavam tristes devido ao atraso do almoço. Lula, Patrus Ananias (Ministro do Desenvolvimento Social), Fernando Hadad (Ministro da Educação). Serviu o almoço, enquanto o evento se iniciava também. O vice-presidente José Alencar esteve presente e almoçou com os convidados. Salão cheio. Presidente Lula brincou com todos. Disse que está mais bonito. Mais magro. O povo sorriu. O clima descontraiu-se e tudo ficou legal. Enfim a premiação. GESTÃO EFICIENTE DA MERENDA ESCOLAR 2009, foram 1099 municípios inscritos e foram premiados apenas 25.   ARIQUEMES ficou dentro dos 25. O quesito do nosso prêmio foi o DESENVOLVIMENTO LOCAL COM A COMPRA DA MERENDA. Como Prefeito fiquei imensamente vaidoso de estar sempre ganhando prêmios de gestão eficiente e com isto promover a nossa cidade. Isto é muito bom. Bem melhor do que ver a cidade na midia com escândalos. Com este de hoje Ariquemes tem ganhado anualmente várias premiações em nível nacional. Amanhã posto as fotos.

Confúcio

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE



O foco do SUS mudou com o tempo. Passou a ser o que não se queria que fosse. Um sistema que viesse a privilegiar a cura em detrimento da prevenção e promoção da saúde. Quando falo em cura  quero dizer o foco na medicalização, nos instrumentais caríssimos e grande parte importada. Deixando de lado o verdadeiro objetivo do SUS que seria os cuidados básicos de saúde e uma atenção muito especial às pessoas e seus problemas. Comprar remédio é caro. Além de deixar o Estado sempre dependente dos grandes laboratórios. O PSF (programa saúde da família) e a medicina comunitária (ou social) é  a base de tudo. Pena que não se tem médicos com este perfil. Raríssimos. As equipes nos seus distritos sanitários, plenos de entusiasmo, mobilizados, com metas definidas, premiações por desempenho, cuidando do diabético, hipertenso, do idoso. Além do pré-natal bem feito, na orientação preventiva das doenças sexualmente transmissiveis. Aí sim, sobraria dinheiro do SUS  e se reduziria e muito a internação hospitalar. Tenho a grata satisfação de ter sido implantador do SUS  em Rondônia, como Secretário de Estado da Saúde entre os anos de 1987 e 1988. Vamos retomar os verdadeiros objetivo do SUS.

Confúcio

NOSSA SENHORA DA CONCEIÇAO


Eu me lembro bem quando menino a festa da minha avó Joaquininha. Ela era devota de Nossa Senhora da Conceiçao. Sertão de Goias, hoje Tocantins, perto da Bahia, encostado no Maranhão, via-se o Piauí. Era o catolicismo pleno. Só uma família, uma apenas, era protestante - Igreja Batista. Dia 8 de dezembro ela fazia a festa, rezava o terço e ao final os comes-e-bebes. Pra mim esta era a melhor parte. Fazia bolo, sequilho e polvilho, beiju de tapioca com manteiga sertaneja, refrescos, café-com-leite, bolo de mandioca (mané-pelado), bolo de milho, bolo fofo (brevidade). Havia um bolinho de polvilho, que não sei mais o nome, que derretia na boca. Se o engulisse ligeiro parte dos farelos caiam no "goto" (glote) e a pessoa saia da festa tossindo e entalado. Eu enchia os bolsos. Enquanto o pessoal rezava com imensa devoção, eu por baixo da mesa, guloso como sempre, até hoje, ia enchendo os bolsos.  De vez em quando minha avó via a danura, não podia ralhar, de joelhos e puxando a reza, só fazia cara feia. Eu nem ligava. Miha avó Joaquininha já morreu e hoje ela onde tiver deve estar ao lado de sua Santa -  Senhora da Conceição. A minha mae assina como sobrenome Conceição. Os irmãos dela também. Manoel Conceiçao, Zeca Conceição, Anelides Conceição, Otacilio Conceiçao. Que devoção minha querida avó.

Confúcio

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

EFICIENCIA ENERGÉTICA VALE A PENA


Estou feliz pelo programa  Eficiencia Energética de Ariquemes.  Hoje, Neuza, Superintendente do Programa PROCEL da Eletrobrás veio aqui para uma palestra com diretores de escolas, hospitais, secretários, diretores e gerentes. Ficou claro que Ariquemes tem o melhor programa da Amazonia. Muito mais, tudo feito com recurso próprio. E uma dedicação incrível de toda a equipe.Que a Eletronorte está satisfeita. E que o Brasil agradece.  Isto tudo é desenvolvimento com sustentabilidade - crescer, prosperar com economia de energia, menor gasto. No período de quatro anos a economia foi de 1,5 milhões de reais. Fantástico. Eu ainda não estou plenamente satisfeito. Sei que poderemos melhorar e muito. E como prêmio a Eletronorte ofereceu um computador completo para a unidade gestora. Todos os materiais para uma reforma geral da parte eletrica das escolas e hospitais, novos aparelhos de ar condicionados, ventiladores e tudo que for necessário para que o programa em Ariquemes seja plenamente eficaz.  Estou feliz por isto.

Confúcio

domingo, 6 de dezembro de 2009

ALTO PARAÍSO - CAMPANHA PELA QUALIDADE DE VIDA


Fui ontem visitar a cidade de Alto Paraíso. Por acaso as Secretarias de Saúde e Açao Social estavam com barracas na praça central, numa verdadeira festa pela promoção da saúde. Sentei numa barraca para medir a pressão arterial. Noutra indaguei sobre a academia, com halteres, barras, bicicleta ergométrica e esteira. Além de outras mesas com a prevenção da DST/AIDS, teste sanguineo para diabéticos, orientação psicológica, fonoaudilógica e médica.  Gostei do que vi. A parte cara da saúde é a curativa. Hospital e laboratório. A parte educativa em saúde é tão importante quanto a curativa.  Na praça o Prefeito Romeu Reolon quer mostrar ao seu povo que vale mais prevenir, evitar a doença, viver bem, ser feliz. É muito bom se ter saúde, sem dor e com bem-estar mental e social. Ter emprego, família sob controle, comer bem e certo. Por falar em comer aí está o grande perigo. O homem é o que ele come.  Estas comidas empasteladas de gorduras e massas fazem muito mal. Além de ganhar peso a pessoa poderá ter aumento das taxas de colesterol  no sangue e depois as suas graves consequencias.  O cigarro é um veneno. O alcoolismo também. Tudo faz mal se usado com excesso. Além do que a gula é um pecado capital.

Confucio

sábado, 5 de dezembro de 2009

VOU SUBINDO O PACAÁS NOVOS




Tudo fica incompreendido com o termo "pacaás novos". O que é isto companheiro? Pacaás vem dos índios Pacaás. É todo o universo montanhoso de Rondônia, onde fica o pico mais alto do Estado. E de lá nascem maioria dos nossos rios. Ontem, fui na direção dele. Para Campo Novo de Rondônia, depois do quilômetro 90 da BR 421, o solo começa a se indispor com a monotonia anterior. As rochas se impõem. O revoltoso sobe desce, os vales lindos, os baixios ricos em minérios de estanho. Por ali estão muitos "pontos" de extração mineral. E a visão se esbarra no próximo obstáculo. Mais um morro. Do lado esquerdo o império verde dos índios Uru Eu Wau Wau. Do outro e longínquo A Reserva Estadual de Guajará-Mirim e no entremeio a Reserva Nacional dos Pacáas. Onde tudo é encantador. Deixe este cantinho do  mundo como está. Esquecido. Deixe-o assim como se não existisse para que outras gerações possam degustar toda sua riqueza visual e sua extraordinária biodiversidade.

Confucio

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

DEZEMBRO



Cada ano tem o dezembro que merece. E agora estou no dezembro de 2009, pelo que sinto será igual aos demais dezembros que já vivi. Um mês do perdão, quando se apaga tudo de ruim que aconteceu e se mira no futuro venturoso do ano que vem.  Os grandes pedidos de todos os anos. Os propósitos  de uma vida melhor e diferente. E o novo ano abre a sua porta de vidro. E a gente entra nele como se fosse uma bola sobrenatural. Lá vai o homem de boas intenções. O primeiro passo, segundo e muitos, e o homem é o mesmo.

Eu fico estupidamente atrapalhado com a medida do tempo. Não se poderia medir o tempo em quilos, nem metros, nem em volts. Mede-se o tempo com um rimo talvez das batidas do coração. Talvez com o ir e vir de um balanço pendular onde a criança vai e vem. É outra a medida do tempo, do invisivel tempo. Vou mergulhar neste dezembro e sugar dele todo o seu doce sabor de festas. Degustá-lo integralmente com farofa e frutas cristalizadas ao esplendor das músicas natalinas. Vou sentir este dezembro como único de toda a minha vida. Este mês eu também serei dezembro.


Confúcio

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

FUTEBOL - A PAIXÃO NACIONAL

O povo tem necessidade de alegria.  De enlevo apaixonado. É no futebol que o Brasil se identifica tão bem.



Ninguém sabe explicar a razão. Também não precisa querer saber as causas de tudo. Gostar é gostar e basta. E naquele jogo aparentemente inofensivo o torcedor derrama uma emoção estranha - de amor e ódio, tal qual o amante deslumbrado. Tem alguma coisa de freudiano em tudo isto. Talvez o mesmo sentimento da batalha mortal. A de querer submeter o outro a uma certa humilhação. Eu sou o vencedor! e outro, o derrotado. Sem entrar  nesta "masturbação" psicanalítica do espetáculo  futebolistico, aqui, entre quatro paredes, digo-lhe que também sou um torcedor não tanto quanto fanático, mas, um mais ou menos FLAMENGUISTA. E você bem sabe como é flamenguista. Nem poderia dizer o que sou - melhor que fosse de todos. Não sei o motivo, mas, sou flamenguista deste menino pequeno, quando ouvia o jogo pela Rádio Globo do Rio de Janeiro, com Valdir Amaral. O futebol é o nosso orgulho, que está de bom tamanho. Lá fora são bons em outras coisas e o Brasil se destaca é no futebol, samba, carne e soja. Não está bom assim?

Confúcio

MEIO AMBIENTE - A BRIGA INÚTIL



Não tem essa de ser contra ou a favor.  Claro que todo mundo é a favor da vida.  Quem  não é a favor do crescimento econômico também? Que a Amazônia retorne ao oceano verde e desconhecido, dos bichos extraordinários, dos botos em cada lago, não será mais possível. É claro. São mais de vinte milhões de habitantes por aqui. Na Amazônia inteira. Então, o que se deve fazer é juntar os dois interesses. Que mais parece hoje em dia a luta dos burros puxando a corda em sentido contrário. Puxa daqui. Puxa dali. E fica este vai e vai. Não. Dá para se fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Viver na Amazônia e preservá-la com toda a certeza.  Como fazer tudo isto? A conscientização pela educação ambiental. Por a disciplina na escola. O menino deve aprender desde cedo que por aqui a regra é clara. Tem lei. O zoneamento. Tem lugar para se trabalhar e ganhar dinheiro. Tem lugar que não se pode mexer. Por exemplo, as unidades de conservações ambientais. Pronto. As grandes mudanças devem ser insinadas. Tudo deve ser na base de um contrato de gerações.

Confúcio