Este blog vai ser redirecionado!

Blog redirecionado em 6 segundos!
http://confuciomoura.com.br
Aguarde.

domingo, 16 de janeiro de 2011

GESTÃO DE PESSOAS

O mundo das organizações se debate por séculos na grande busca do modelo ideal para administrar gente. Porque cada ser humano é especial e único. E como transformar este ente tão particular e extraordinário, com sentimentos, necessidades, planos próprios dentro de um grupo, para que volte para objetivos comuns e venha produzir resultados cada vez maiores?

Milhares de livros produzidos. Milhares de palestras feitas. Milhares de ferramentas experimentadas. Centenas de modelos implantados e testados. Certo é que toda esta luta, estudos e pesquisas irão continuar por muito tempo ainda.

O segredo e objetivo  é  fazer a máquina andar.

Disse antes, quem tem gente preparada e motivada move o mundo. E é verdade. Por isso que sempre achei que a Secretaria de Administração de um Estado é a mais importante, porque tem a função de organizar as pessoas, definir metas, escrever regras e planos, fazer treinamentos continuados, modernizar os setores, avaliar desempenho (que é muito difícil).

No entanto,  já tem por aí algumas ferramentas bem usadas e se aplicadas convenientemente darão excelentes resultados - o BSC é um deles (Balanced Scorecard). No mais é oferecer cursos de pós-graduações aos gerentes, diretores, servidores interessados, além de outros de curta e média durações. O Estado deve gastar dinheiro, de verdade, na preparação do seu pessoal.

Por fim, no serviço público, uma lei de incentivos ao servidor, que pode ser um plano de carreira, cargos e salários com uma visão moderna, competitiva centrada no merecimento, como fez Minas Gerais, São Paulo e outros tantos Estados e municípios. Uma lei em que o servidor público tenha visibilidade de futuro, saiba que o seu salário é flutuante, pode ganhar mais ou menos e que só vai depender dele mesmo.

Assim sendo e conceituando os meus pontos de vistas - a Secretaria da Administração deve centralizar no novo prédio do CTA todos os RHs das Secretarias e cuidar de todos com extrema competência e visão de Estado moderno e produtivo. Porque o grande objetivo do Estado e consequentemente do SERVIDOR PUBLICO é o de servir ao povo e bem.

7 comentários:

Clésio disse...

Bom dia Governador, falando em gestão de pessoal(valorização do funcionário), quero aqui deixar uma sugestão ao pessoal que está elaborando o PCCS (Plano de Cargos Carreira e Salários) da SEJUS que faça como muitos estados brasileiros hoje ja faz, inclua um aumento de 10% para aqueles funcionários que tem "Curso Superior", essa é sem dúvida uma maneira de valorizar aquele funcionário que se dedicou e apesar das dificuldades e do baixo salário que recebe conseguiu concluir o 3º GRAU, e, também uma forma de incentivar aqueles que ainda não tem se esforçarem e concluirem o seu curso, fica aí a minha sugestão, desejo um excelente domingo ao Sr. e sua família!!!!

Anônimo disse...

Concordo com o Sr. Governador, só nao acredito que o professor é medido por produçao, pois o mesmo nao é vendedor. Outro dia Assisti na TV Cultura de São Paulo, que paga um dos menores salários aos professores, que esse tal de merecimento, nao deu certo, é obvio que seres humanos sao distinto, cada um com suas multiplas habilidades. Logo nao vejo que um ou outro professor mereça ganhar mas que seu proprio companheiro de trabalho, acredito sim na capacitaçao do professor ou qualquer servidor. Essa historia de produçao nem no Banco do Brasil, funciona, pois foi feita uma pesquisa dentro dessa instituiçao financeira que logrou lucros em cima de seus funcionarios, mas ao mesmo tempo metade deles estavam doentes e com baixa estimula, devido ao assedio moral. Vejo que mesclar seria o mais produtivo, claro que sem metas e objetivos ninguem vai a lugar alguém, e trabalhar a cultura de que o bem publico é de todos e nao do governador. Também acredito que o governador nao ira medir o professor da forma que mediram em Sao Paulo, que na educação teve um dos piores indices de aprendizagem tambem
Abraço de um brother que trabalhou muito a seu favor na campanha

Joelma disse...

Olá, Sr, governador,
gostaria de saber como ficará a nossa EDUCAÇÃO, o que podemos esperar. Aqui em Ji_paraná ainda não temos o Representante de Ensino, quando virá alguém?

Marcos José Rocha disse...

Faça isso Dr. Confúcio! Existem milhares de servidores em Rondônia que perderam a auto-estima. Como ficar bem? Se não consegue oferecer o merecido aos familiares? Se está cheio de dívidas? Se paga aluguéis caríssimos em Porto Velho? Se não é respeitado pelos chefes? Se observa o tempo passar e não consegue estudar? Por isso escolhemos o Sr. como nosso Governador! Acreditamos na sua capacidade e acreditamos no seu comprometimento. Melhores salários, treinamentos, capacitações, oportunidades mil! Parabéns. Quando a gente faz o bem, não tarda recebemos o bem em troca. Que Deus o abençoe hoje e sempre! Abraço.

Constantino Lagoa.'. disse...

Tive experiência com o BSC quando era professor da Fundação Bradesco em Cacoal. Foi uma experiência interessante, mas devido a algumas deficiências que não foram sanadas, por exemplo, a falta de tempo para estudar e apreender e entender mas essa ferramenta, não foram suficientes para resultar em melhorias qualitativas como resultado. Muitas são as empresas que já utilizam o BSC, a Petrobrás é uma delas.

Anônimo disse...

Fico feliz sobre esta nova visão de servir bem, porque o servidor publico estadual do interior na maioria das vezes nunca era bem atendido. Os colegas funcionais de Porto Velho sempre se acharam melhor e mais importantes. Espero que use mude significativamente.

Anônimo disse...

Muito interessante o post. Pena que a maioria dos estados não pense assim. Sou servidora pública estadual (não de Rondônia) e me sinto totalmente desprezada. Os servidores são tratados como lixo enquanto que os cargos comissionados recebem aumento de mais de 50%. Fora isso temos péssimos ambientes de trabalho, nenhum benefício e nenhum incentivo. Para que servem os servidores então ? Contrata logo tudo cargo comissionado que parece que só eles que possuem a capacidade para o trabalho.