Este blog vai ser redirecionado!

Blog redirecionado em 6 segundos!
http://confuciomoura.com.br
Aguarde.

domingo, 10 de outubro de 2010

A MORTE DE ANÉSIO NUNES RAMOS

O velho Anésio morreu em cima do telhado de sua casa. Subiu para tirar uma goteira, mesmo com seus 88 anos, esqueceu de tudo, trepou na escada, e camihava sobre o telhado. De repente, sentiu-se mal e tombou sobre a calha e ficou lá caído e morto.  Infartou. Não quis morrer no plano terrestre, mas, ali no alto, igualando às copas das mangueiras, já numa escalada de subida para o universo inteiro.

Anésio arigó nordestino da década de 40, seringueiro velho e remanescente, contador de histórias, ninguém como ele para dar palestras em escolas, contar dos seringais da região, dos nomes dos seringalistas, das subidas e descidas pelo Rio Jamari e ir além sobre a política  do antigo Território Federal. Sabia  tintim por tintim de datas, dos prédios, das vidas dos moradores antigos, uma memória rara e preciosa.

Era um mito e um símbolo de outros tempos.  Tive no velório dele, feito na casinha de madeira, de seringueiro velho, na cozinha apertada, muita gente pelo lado de fora, no quintal de sombras e tudo ali aconchegante como sempre gostou de viver. Muito bem, Anésio, missão cumprida, bem que você me falou, ande rápido com suas gravações comigo, porque o meu tempo está chegando ao fim. E chegou.  Leve com você o abraço da cidade de Ariquemes, porque você foi igual ou maior do que nós todos.

Um comentário:

max disse...

Ariquemes perde um pouco de sua história que continuava viva com seu Anésio. grande perda