Este blog vai ser redirecionado!

Blog redirecionado em 6 segundos!
http://confuciomoura.com.br
Aguarde.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

A TRIBO DOS MENINOS PERDIDOS


A criminalidade no Brasil tem cara. São jovens do sexo masculino, com idade entre 15 e 24 anos, geralmente pobres e moradores das periferias dos grandes centros urbanos. Os homicídios têm sido a principal causa de morte nessa faixa de idade, respondendo por 40% dos óbitos. Em sua maioria, esses adolescentes tinham algum tipo de ligação com delitos como roubo e tráfico de drogas.

II
Só o emprego e mais escolaridade podem resolver a situação da criminalidade juvenil. O dado indica que a escola pública tem sido incapaz de reter os jovens. "Quando eles abandonam as aulas, a chance de conseguirem se qualificar para bons empregos fica ainda mais remoto. Diante de trabalhos e remuneração ruins, percebem que o mundo do crime oferece uma possibilidade de ganho maior e mais rápido.

III

A segunda resposta está em uma combinação perversa: mais instrução, mesmo que precária, aliada a baixa remuneração, colabora para causar no jovem uma frustração existencial e material cuja válvula de escape pode ser a prática de roubos e furtos. O menino não assalta porque não tem sapato. Ele assalta porque quer um tênis de grife.

Como resolver o problema?

IV-
Bolsa família não resolve a situação. É necessário tirar o jovem da exposição ao ambiente do crime. A escola em tempo integral é excelente opção. Com projetos que incluam o esporte e outras atividades nos finais de semanas nas escolas. Temos que enfrentar a criminalidade pela ótica do delinqüente.

O jovem se vê totalmente fora do sistema e quer de qualquer jeito entrar pra dentro da sociedade de consumo. Tem muita pressa. Quer e precisa de poder. Por isso, muitas vezes entram nas gangues. Há sempre líder em todo lugar e em qualquer idade.

V-
Investir em atividades sociais nos bairros, fazer de tudo para que todas as famílias tenham rendas, dar dignidade e respeito aos bairros, pavimentação, água e esgoto, escola boa, saúde de qualidade e a presença permanente do polícia na rua.

Nenhum comentário: