Este blog vai ser redirecionado!

Blog redirecionado em 6 segundos!
http://confuciomoura.com.br
Aguarde.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

COMO O MELAÇO ATRAI ABELHA!


Gente gosta de ver gente. É por isso que se vai à feira livre, ao mercado municipal, às ruas bem ilumindas, aos pontos de alta musicalidade. O homem é avesso a solidão. Ariquemes era uma cidade enjaulada. As pessoas, sem opção,  viviam mais ou menos nas prisões domiciliares. Era sala,  quarto e cozinha. Vieram as praças, as pistas de caminhadas, os bancos para se sentar. Não há dúvida que gente sente bem em olhar os outros. Em fazer caminhadas coletivas. Agora, com as praças em fase de novas fisionomias, com academias para a terceira idade e adultos, elas atraírão muita gente para se verem e baterem papo. Como as praças das cidades antigas do interior. Principalmente Minas Gerais e São Paulo. Desde cedo cheias de idosos jogando dominó, conversando, rindo bastante, contando lorotas uns para os outros. E o dia passa depressa e as horas voam.  E todos se sentem muito mais felizes. A cidade deve ser integradora. De tal forma que todas as ruas se encontrem na praça, assim como as pessoas também. Por isso é dever da Prefeitura, falo mais longe, do poder público, construir  estes espaços coletivos alegres para se transformar os hábitos. Os parquinhos infantis próximos às academias, as aulas de aérobicas e alongamentos também nos espaços das praças, são práticas maravilhosas de introduzir nas veias da cidade o coquetel de vitaminas que estava faltando.

Um comentário:

Ivonete disse...

Olá,Dr.Confúcio.Realmente nossa cidade com as praças está muito melhor pois se pode sair de casa , conversar um pouco e fazer exercícios. Eu moro no st.02 e sinto de não termos a nossa praça aqui. Lembro-me de que, antes das eleições, o senhor esteve em uma reunião na casa da Marli e nos disse que a nossa praça ia ficar linda e que teríamos orgulho de morar aqui e que nossos imóveis iam ser valorizados. Infelizmente isso ainda não aconteceu. Ainda tenho esperança de que isso ainda aconteça. Um abraço
Ivonete